O DIREITO AO SIGILO DAS INFORMAÇÕES NA INTERNET

Dirceu Pereira Siqueira, Renato Augusto Rocha de Oliveira

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo demonstrar a existência e expansão da comunicação intersubjetiva perpetrada no meio digital, demonstrando os efeitos nocivos causados pela ausência de regulamentação de tal ambiente comunicacional, infligindo diretamente a intimidade e privacidade do cidadão. Em uma complexa relação de dominação pública e privada do fluxo de informações, expõe-se a transmutação de valores econômicos e políticos para o próprio conteúdo das mensagens transmitidas, isto é, para a informação ali contida, característica já consolidada na Era da Informação, porém em total desconformidade com a garantia e efetivação dos direitos fundamentais pregada pelo Estado democrático de Direito.

Palavras-chave


informação; comunicação; internet; sigilo.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINI, Leonardo Cesar de. A intimidade e a vida privada como expressões da liberdade humana. Porto Alegre: Núria Fabris, 2011.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10. Ed. 8. Reimp. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração universal dos direitos humanos, de 10 de dezembro de 1948, disponível em http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf, acessado em 10/01/2017.

BATESON, Gregory. Vers une écologie de l’esprit, tomo I, traduzido do inglês por F. Drosso, L. Lot e E. Simion. Paris: Seuil, 1977.

BATESON, Gregory; RUESCH, Jurgen. Communication et société, traduzido do inglês por Gérald Dupuis. Paris: Seuil, 1988.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. 19. tiragem. Nova ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

CALDAS, Pedro Frederico. Vida privada, liberdade de imprensa e dano moral. São Paulo: Revista dos Tribunais. 1997.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet. Trad.: Maria Luiza X. de A. Borges; revisão Paulo Vaz. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CRETELLA JÚNIOR, José. Comentários a Constituição brasileira de 1988. vol. I. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1988.

DOTTI, René Ariel. A liberdade e o direito a intimidade. In Revista de informação legislativa. Ano 17. n. 66, 1980.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Sigilo de dados: o direito à privacidade e os limites à função fiscalizadora do Estado. In Cadernos de Direito Tributário e Finanças Públicas. São Paulo: Revista dos Tribunais. vol. I, ano I, 1992.

FERRAJOLI, Luigi. Por uma teoria dos direitos e dos bens fundamentais. trad. Alexandre Salim, Alfredo Copetti Neto, Daniela Cadermatori, Hermes Zaneti Júnior, Sérgio Cadermatori. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2011.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Comentários à Constituição brasileira de 1988. v. I. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

FREGADOLLI, Luciana. O direito a intimidade. In Cadernos de Direito Constitucional e política. N. 19. Ano 5. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.

FROSINI, Vittorio. Cibernética, derecho y sociedad. Madrid: Tecnos, 1982.

HEIMS, Steve Joshua. The cybernetics Group, 1946-1953. Constructing a Social Sciente for Postwar America. Massachusetts: MIT Press, 1991.

HESSE, Konrad. Temas fundamentais do direito constitucional. 2ª tiragem. São Paulo: Saraiva, 2009.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

LAFONTAINE, Céline. O império cibernético – das máquinas de pensar ao pensamento máquina. Porto Alegre: Instituto Piaget, 2004.

LIMBERGER, Têmis. O direito à intimidade na era da informática. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2007.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 10 de dezembro de 1948, disponível em http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf, acessado em 26/12/2016.

PAVÓN, Pilar Gomez. Laintimidad como objeto de protección penal. Madri: AKAL, 1989.

PÉREZ-LUÑO, Antonio Enrique. Derechos humanos, Estado de Derecho y Constitucion. 5. ed. Madrid: Editorial Tecnos, 1995.

SILVA, José Afonso Gomes da. Curso de Direito Constitucional positivo. 34. ed.São Paulo: Malheiros Editores, 2011.

SIQUEIRA, Dirceu Pereira; FERRARI, Caroline Clariano. O direito à informação como direito fundamental ao estado democrático. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas – Unifafibe. V. 4, N. 2, 2016.

SIQUEIRA, Dirceu Pereira; CASTRO, Lorenna Roberta Barbosa. Minorias e grupos vulneráveis: a questão terminológica como fator preponderante para uma real inclusão social. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas – Unifafibe. V. 5, N. 1, 2017.

SZANIAWSKI, Elimar. Direitos de personalidade e sua tutela. 2. ed. rev. atual. ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

WAYNE, Leslie. The 2000 campaign: The Internet; Voter Profiles Selling Briskly As Privacy Issues Are Raised. The New York Times, Nova Iorque, set. 2000. Disponível em: < http://www.nytimes.com/2000/09/09/us/2000-campaign-internet-voter-profiles-selling-briskly-privacy-issues-are-raised.html>. Acesso em: 18 de janeiro de 2017.

WIENER, Norbert. Cybernétique et société. L’usage humain des êtres humains. col. 10/18. Paris: UGE.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Argumenta Journal Law

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil