A condição humana dos presos no Brasil

Mariana de Mello Arrigoni, Maurício Gonçalves Saliba

Resumo


O descaso com os direitos humanos dos presos no Brasil é constante. Para refletir sobre essa questão, se partirá da premissa de condição humana, a partir das teorias elaboradas por Hannah Arendt. A seguir, será realizada uma análise dos direitos humanos a partir de duas abordagens: uma histórica, resgatando as suas origens (haja vista que tais direitos são históricos, construídos socialmente); e uma acerca da existência ou não de condições para ser portador de direitos fundamentais. O trabalho parte, principalmente, das ideias de Hannah Arendt sobre a condição humana para verificar como esta se aplica aos presos.

Palavras-chave


Ser humano; Direitos humanos; Sistema prisional brasileiro; Direito penal.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A dignidade da política. 3 ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Tradução de André de Macedo Duarte. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 12 ed. rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

BARCELLOS, Ana Paula de. Violência urbana, condições das prisões e dignidade humana. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 254, p. 39-65, mai. 2010. ISSN 2238-5177. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.12660/rda.v254.2010.8074.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho; Apresentação de Celso Lafer. 10 reimp. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BRASIL. Conselho Nacional do Ministério Público - CNMP. Sistema prisional em números. 2018. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 14 fev. 2019.

BRASIL. Departamento Penitenciário Nacional – DEPEN. Levantamento nacional de informações penitenciárias: INFOPEN. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2017. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/noticias-1/noticias/infopen-levantamento-nacional-de-informacoes-penitenciarias-2016/relatorio_2016_22111.pdf. Acesso em: 14 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº. 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm. Acesso em: 14 fev. 2019.

¬¬¬¬¬BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão da Decisão Liminar da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº. 347/DF. Relator: Ministro Marco Aurélio. Brasília, 19 fev. 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 mai. 2018.

HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. Tradução de José Lamego. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2005.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Coimbra: Edições 70, 2007.

KANT, Immanuel. Resposta à Questão: O que é Esclarecimento?. Tradução de Márcio Pugliesi. Cognitio: Revista de Filosofia, [S.l.], v. 13, n. 1, p. 145-154, out. 2012. ISSN 2316-5278. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/cognitiofilosofia/article/view/11661/8392. Acesso em: 14 fev. 2019.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras: 1988.

LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo civil: ensaio sobre a origem, os limites e os fins verdadeiros do governo civil. Petrópolis: Vozes, 1994. (Coleção clássicos do pensamento político)

LUNARDI, Giovani Mendonça. A fundamentação moral dos direitos humanos. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 201-209, nov. 2011. ISSN 1982-0259. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2019. doi:https://doi.org/10.1590/S1414-49802011000200008.

NODARI, Paulo Cesar. A ética aristotélica. Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 24, n. 78, p.383-410, jan. 1997. Disponível em: http://periodicos.faje.edu.br/index.php/Sintese/article/view/722. Acesso em: 07 fev. 2019.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 17 ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2017.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996. (Clássicos)

UNITED NATIONS INFORMATION CENTRES/RIO. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Jan. 2009. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em: 07 fev. 2019.

YARBROUGH, Jean; STERN, Peter. Vita Activa and Vita Contemplativa: Reflections on Hannah Arendt's Political Thought in The Life of the Mind. The Review Of Politics, [s.l.], v. 43, n. 03, p.323-354, jul. 1981. Cambridge University Press (CUP). http://dx.doi.org/10.1017/s0034670500030072. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v0i31.1597

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Argumenta Journal Law

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil