O CORPO-OBJETO DA MULHER: REIFICAÇÃO DA LÓGICA OPRESSORA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO NO CRIME DE IMPORTUNAÇÃO SEXUAL

Samia Moda Cirino, Bruna Azevedo de Castro

Resumo


O presente artigo realiza uma análise crítica da tipificação da importunação sexual como crime pela Lei 13.718/2018 com intuito de verificar sua eficácia para o combate da violência de gênero. Para tanto analisa as reais causas que colocam a mulher em uma condição inferior na sociedade, ou seja, supera análises meramente naturalizantes ou culturais da construção do gênero, do sexo e da sexualidade para se ativar na análise de construção dos sujeitos de acordo com a lógica das relações de poder em determinado contexto sócio-histórico. Essa perspectiva analítica denuncia o caráter performativo dessas categorias de análise, ou seja, são compulsoriamente constituídos a partir de um processo complexo de reiteração de normas que mascaram o conteúdo opressor da heterossexualização e do falocentrismo. Compreendida a subordinação das mulheres nas relações de gênero a partir da própria lógica falocêntrica e heterossexual que constitui os seres corporais, desvela-se de que modo essa lógica opressiva é reificada por meio do Direito, a exemplo da tipificação da importunação sexual.


Palavras-chave


Violência de gênero; Performatividade; Importunação sexual; Direito Penal Simbólico

Texto completo:

PDF

Referências


BUTLER, Judith. Sex and Gender in Simone de Beauvoir´s Second Sex. In Yale French Studies. n. 72, Simone de Beauvoir: Witness to a Century. (1986), p. 35-49.

______________. Cuerpos que importan: sobre los limites materiales y discursivos del sexo. 1ª ed. Buenos Aires: Paidós, 2002.

______________. Deshacer el genero.Barcelona: Paidós, 2006.

______________. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CHIAVACCI, Enrico. Il significato del corpo como tema di ética fondamentale. In Per uno statuto del corpo. MAZZONI, Cosimo Marco (coord.). Milano: Giuffrè, 2008, p. 11-42.

DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas? Trad. Marina Vargas. Rio de Janeiro: Difel, 2018.

DÍEZ RIPOLLÉS, José Luis. A racionalidade das leis penais: teoria e prática. Trad. Luiz Regis Prado. 2ª ed. São Paulo: RT, 2016.

______________. El derecho penal simbólico y los efectos de la pena. Revista peruana de ciências penales, Lima, 7/8, n. 11, p. 551-557, 2002.

FONSECA, Angela Couto Machado. Corpo, Biopolítica e Direito: percursos filosóficos da ordenação e regulação biológica.Curitiba, 272p. Tese (Doutorado em Direito) - Programa de Pós-Graduação em Direito da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, 2014. Disponível em: . Acesso 12/06/2019.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1: A vontade de saber. 3ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GEDIEL, José Antônio Peres. Tecnociência, dissociação e patrimonialização jurídica do corpo humano. In Repensando Fundamentos do Direito Civil Brasileiro Contemporâneo. FACHIN, Luiz Edson (coord.). Rio de Janeiro: Renovar, 1998, p. 57-85.

HASSEMER, Winfried. Derecho penal simbólico y protección de bienes jurídicos. Pena y Estado: revista hispanolatinoamericana, Buenos Aires, n. 1, p. 23-36., set./dez. 1991.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: ed. 34, 2003.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da Sexualidade. In O Corpo Educado. 2ª ed. LOURO, Guacira Lopes (org.). Belo Horizonte: Autêntica, 2000. Disponível em:. Acesso em 12/06/2019.

RODOTÀ, Stefano.Trasformazioni del corpo. In Per uno statuto del corpo. MAZZONI, Cosimo Marco (coord.). Milano: Giuffrè, 2008, p. 43-67.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Rearticulando gênero e classe social. In Uma questão de gênero. COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI Cristina. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempo, 1992, p. 183-215.

SANGUINÉ, Odone. Função simbólica da pena. Fascículos de ciências penais, Porto Alegre, v. 5, n. 3, p. 114-126, jul./set. 1992.

PRADO, Luiz Regis. Tratado de Direito Penal brasileiro. Parte Especial. 3.ed. São Paulo: Forense, 2019, v. 2.

PRANDO, Camila Cardoso de Mello. O caso do ônibus e a seletividade dos penalistas. Empório do Direito. [S.I.] 2017. Disponível em: . Acesso em: 12/06/2019.

ZATTI, Paolo. Il corpo e la nebulosa dell´appartezenza: dalla sovranità allá proprietà. In Per uno statuto del corpo. MAZZONI, Cosimo Marco (coord.). Milano: Giuffrè, 2008, p. 69-97.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v0i30.1628

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Argumenta Journal Law

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil