NECROPOLÍTICA TRANS: o gênero, cor e raça das LGBTI que morrem no Brasil são definidos pelo racismo de Estado

Rainer Bomfim, Victória Taglialegna Salles, Alexandre Gustavo Melo Franco de Moraes Bahia

Resumo


Sob a perspectiva da necropolítica de Achille Mbembe pretende-se, por meio da pesquisa crítico-metodológica, demonstrar como o racismo de Estado, conceituado por Michel Foucault, age sobre as travestis e mulheres trans, especialmente negras, que são tidas como corpos que não importam ou corpos feitos para morrer. Para isso, trabalha-se com o conceito de Necropolítica, apresentando como as políticas de Estado atuam diretamente sobre as travestis e as mulheres trans negras, de modo a determinar quem irá viver e quem irá morrer. Essa população é interpelada negativamente por aquela prática, de tal forma que a necropolítica se manifesta com a morte delas. Dessa maneira, o trabalho justifica-se pelo crescente número de assassinatos e crueldades praticados de forma institucional diante do estigma das travestis e mulheres trans negras. Por fim, conclui-se pela existência de um racismo de Estado, que é articulado com a formação do Estado-nação frente às pessoas trans.


Texto completo:

PDF

Referências


BENEVIDES, Bruna G.; NOGUEIRA, Sayonara Naider Bonfim; DOSSIÊ: ASSASSINATOS E VIOLÊNCIA CONTRA TRAVESTIS E TRANSEXUAI NO BRASIL EM 2018. 2019.

BENEVIDES, Bruna G.; SIMPSON, Keila. Mapa dos assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil em 2017. 2018.

BENTO, Berenice. Brasil: O país do transfeminicídio. CLAM, Rio de Janeiro, 2014.

BENTO, Berenice. Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação?. Cad. Pagu [online]. 2018, n.53, e185305. Epub 11-Jun-2018. http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530005.

BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua PNAD Contínua Mercado de Trabalho Brasileiro 2º trimestre de 2018. 16 de agosto de 2018. Brasília.

BUENO, W.; PEREIRA, L. A interseccionalidade como ferramenta para a justiça: analisando a experiência da Themis. Revista Themis Genero , Justiça e Direitos Humanos, v. 3, p. 52-64, 2018

CAMILLOTO, Ludmilla Barros. Transgeneridade e direito de ser [manuscrito]: relação entre o reconhecimento de si e o reconhecimento jurídico de novos sujeitos de direitos. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação “Novos Direitos, Novos Sujeitos”. Ouro Preto, 2019.

CRENSHAW, Kimberlè Williams. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Salvador, Revista Estudos Feministas, n.1, p.177, 2002.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca. (Re)Pensando a Pesquisa Jurídica. 4ª ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2015.

KRISTEVA, Julia. Pouvoirs de l’horreur: Essai sur l’abjection. Paris: Éditions du Seuil, 1980.

LIONÇO, Tatiana. Que Direito à Saúde para a População GLBT? Considerando Direitos Humanos, Sexuais e Reprodutivos em Busca da Integralidade e da Eqüidade. Saúde Soc. São Paulo, v.17, n.2, p.11-21, 2008.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Revista do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes, n. 34, v. , p. 123-151, 2016

MOTT, Luiz. Grupo Gay da Bahia. Assassinatos de homossexuais (LGBT) no Brasil: relatório 2014. Bahia, 2014.

NEGREIROS, Flávia (et al.). Saúde de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais: da Formação Médica à Atuação Profissional. Revista Brasileira de Educação Médica, n. 43, v. 1, p. 23-31, 2019.

NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE PÚBLICA (NESP) (Brasília). CEAM/UNB (Org.). Mapa dos Assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil em 2017 é lançado em Brasília. 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2018.

ONUSIDA. Acción rápida y derechos humanos Avanzando en materia de derechos humanos para acelerar la respuesta frente al VIH. Guía, ONUSIDA, 2017.

GEORGES, Rafael; MAIA, Katia (Org.). A DISTÂNCIA QUE NOS UNE: um retrato das desigualdades brasileiras. OXFAM. 2017.

GEORGES, Rafael; MAIA, Katia (Org.). PAÍS ESTAGNADO: um retrato das desigualdades brasileiras. OXFAM. 2018.

PRADO, Marco Aurélio Máximo (Org.). Inquéritos policiais: travestis e transexuais em Minas Gerais: Relatório do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBTQ+ sobre inquéritos policiais envolvendo travestis e transexuais no estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Belo Horizonte: Nuh, 2018. 92 p. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Eduardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RIOS, Roger R.; DESLANDES, Keila; BAHIA, Alexandre (orgs.). Homotransfobia e Direitos Sexuais: debates e embates contemporâneos. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

SILVA, Jessica de Paula Bueno da. O RECONHECIMENTO DAS PESSOAS TRANS: Uma análise do poder de emancipação ou institucionalização do direito sob a perspectiva de Axel Honneth. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação “Novos Direitos, Novos Sujeitos”. Ouro Preto, 2019

UNAIDS. Global Aids Response Progress Reporting, Switzerland, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v0i31.1727

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Argumenta Journal Law

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil