O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA CONSTITUCIONAL: UMA RELEITURA A PARTIR DA INTERDISCIPLINARIDADE

Tais Savedra de Andrade

Resumo


Este artigo científico estuda o Princípio da Eficiência como tema interdisciplinar, cujo conceito é emprestado ao direito por outras ciências. A administração pública tem o dever de agir não de acordo com a lei, mas, também, com o dever de atingir metas e resultados. A maior parte da doutrina entende ser a eficiência o máximo de resultado obtido na aplicação de algum ato administrativo, gastando-se o mínimo de recursos do aparato público. Utilizando conceitos comparados da eficiência, a administração científica demonstra que a boa gestão está na eliminação do desperdício do trabalho e tal conceito pode ser utilizado para a gerência da coisa pública. Da mesma forma, as técnicas da teoria clássica propõe que administrar é prever, organizar, comandar, coordenar e controlar. Ambas teorias priorizam a eficiência administrativa, por isto enfocadas no hodierno esboço. Se a administração pública for pensada como uma máquina que deve ter o maior índice de rendimento, aquela deve trabalhar o máximo com a energia que lhe é oferecida. A partir destas observações é possível retirar da eficiência três ideias nodulares a serem buscadas pela administração: economia, presteza e resultados. Com base nas ciências comparadas a dar novas perspectivas para o dever de gestar resultados, defende-se a tese que se dada política pública de plano não apresentar aptidão a gerar resultados eficientes jamais deverá ser implementada. Caso certa política pública implementada não seja eficiente porque não tem duração razoável, ou não cumpre com sua finalidade, ou o resultado é desproporcional ao trabalho e valor investidos, estes atos devem ser controlados assim como se faz na legalidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ALESSI, Renato. Principi di Dirito Amministrativo. Milano: Giuffrè, 2000.

ARAGÃO, Alexandre Santos. O Princípio da Eficiência. Revista Eletrônica de

Direito Administrativo Econômico. Salvador: Instituto de Direito Público da Bahia, n. 4, nov/dez 2005, jan 2006. Disponível em: < http://www.direitodoestado.com>. Acesso em 15 jun. 2012.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 29. ed. Malheiros:São Paulo, 2012.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Administrativo. 2. ed .São Paulo: Saraiva, 1996.

BULOS, Uadi Lammêgo. Constituição Federal Anotada. 8.ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 2.ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

COSTÓDIO FILHO, Ubirajara. A Emenda Constitucional 19/98 e o princípio da eficiência na administração pública. Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política nº 27, Revista dos Tribunais, abril-junho de 1999, p. 209-217.

DI PIETRO, Maria Sylvia. Direito Administrativo. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

FAYOL, Henri. Administração Industrial e Geral. 10.ed. São Paulo: Atlas, 1990.

GASPARINI, Diógenes. Direito Administrativo. São Paulo: Saraiva, 2008.

GROISMAN, Enrique. Crisis y Actualidad del Derecho Administrativo Económico. Revista de Derecho Industrial, vol. 42. Buenos Aires: Depalma, 1993.

IANNOTTA, Lucio. Princípio di Legalità e Amministrazione di Risultato, in Amministrazione e Legalità – Fonti Normativi e Ordinamenti (Atti del Convegno, Macerata, 21 e 22 maggio 1999). Milano: Giuffrè Editore, 2000.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. São Paulo: Saraiva, 2006.

MARINELA, Fernanda. Direito Administrativo. 6.ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2012.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro: a Atividade Administrativa: Moralidade e Eficiência. 34. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

MENDES, Gilmar Ferreira. Curso de Direito Constitucional. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

MORAES, Alexandre de. Reforma Administrativa: Emenda Constitucional nº 19/ 98. 3. ed., São Paulo : Atlas, 1999.

SANTIN, Valter Foleto. Controle judicial da segurança pública: eficiência na prevenção e repressão ao crime. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 22.ed. São Paulo: Malheiros, 2002.

TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de Administração Científica. Trad. Arlindo Vieira Ramos. 8 ed. São Paulo : Atlas, 1990.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v0i18.286

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Argumenta

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil