Modelo didático como uma ferramenta para o ensino de escrita do gênero relato pessoal

MARTA APARECIDA BROIETTI HENRIQUE, NEURACI ROCHA VIDAL AMORIM

Resumo


Este artigo apresenta a elaboração e a validade de um modelo didático, uma ferramenta ou dispositivo de ensino, para identificar as propriedades de um gênero, neste caso, o relato pessoal, bem como verificar quais das características desse gênero devem ser mobilizadas para desenvolver as capacidades de linguagem durante as práticas de produção escrita em ambiente escolar. O estudo, fundamentado na perspectiva do interacionismo sociodiscursivo (BRONCKART, 1999, 2006, 2008, 2013, 2017) e nos pressupostos teórico-metodológicos do grupo da Didática de Línguas de Genebra (DOLZ E SCHNEUWLLY, 2004; DE PIETRO E SCHNEUWLLY, 2014), mostra as etapas de construção da ferramenta, cuja função é evidenciar que propriedades devem ser privilegiadas em atividades que visam ao desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem de práticas de escrita partindo da concepção de gênero. As análises apontam para as principais propriedades dos exemplares, considerando contexto de produção (aspectos objetivos, sociais e sociossubjetivos), infraestrutura (tipos de discurso, sequência, plano global) e mecanismos de textualização (coesão nominal, coesão verbal e conexão) e enunciativos do gênero (vozes, modalização, seleção lexical e sintática). Por fim, o trabalho demonstra que o modelo didático favorece o reconhecimento das propriedades que ajudam a compreender a configuração do relato pessoal e suas dimensões ensináveis.

 

 


Palavras-chave


Ferramenta para o ensino de práticas de escrita. Modelo didático. Gênero relato pessoal

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, J-M. Les textes: types et prototypes. 3 ed. Paris: Armand Colin, 2015.

ALMEIDA, A. C. de; CORRÊA, H. T. Memórias na sala de aula: análise de uma prática pedagógica na perspectiva do letramento literário. Revista Linhas. Florianópolis, v. 18, n. 37, p. 108-130, maio/ago, 2017

ARAGÃO, A. D. Produzindo textos a partir do gênero relato pessoal. 2016. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras) Universidade Federal do Sergipe. São Cristóvão, SE.

ARAÚJO, P.F.R.de. O gerenciamento das vozes enunciativas no gênero fatia de vida da ordem do relatar. 2009. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

AUTOR, 2019.

AZEVEDO, R. Pipas no céu de Pacaembu. In: Notas bibliográficas. Disponível em http://www.ricardoazevedo.com.br/wp/wp-content/uploads/Pipas-no-ceu-do-pacaembu.pdf Acesso em 22 out. 2018.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília. 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf. Acesso em: 19 out. 2018.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação, 2018. Brasília. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 19 out. 2018.

BRONCKART, J-P. Os gêneros de texto, quadros organizadores da “verdadeira vida” dos signos. Tradução Ana Maria de Mattos Guimarães. In: BRONCKART, J-P; BULEÁ-BRONCKART, E. As unidades semióticas em ação: estudos linguísticos e didáticos na perspectiva do interacionismo sociodiscursivo. Organização Eliane Gouvêa Lousada, Luzia Bueno, Ana Maria de Mattos Guimarães. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2017, p. 37-50.

BRONCKART, J-P. Um retorno necessário à questão do desenvolvimento. Tradução Lídia Stutz In: BUENO, L. LOPES, M. A. P. T.; CRISTÓVÃO, V.L.L. Gêneros textuais e formação inicial: uma homenagem à Malu Matencio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013, p.85-107.

BRONCKART, J-P. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Tradução Anna Raquel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matencio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

BRONCKART, J-P. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Tradução e organização Anna Raquel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matencio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

BRONCKART, J-P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sóciodiscursivo. Tradução Anna Raquel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: Educ,1999.

CARVALHO, M. J.L. de. Gênero relato de experiência vivida: um olhar sobre estratégias cognitivas e discursiva em aquisição de linguagem. Dissertação (Mestrado em Linguística). 2011. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

CHEVALLARD, Y. Sobre a teoria da transposição didática: algumas considerações introdutórias. Tradução Cleonice Puggian. Revista Educação, Ciências e Matemática. v.3, n.2, 2013.

COSTA, S. R. Dicionários de gêneros textuais. Belo Horizonte: Autêntica,2012.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa. 2 ed. Nova Fronteira, 1986.

DANTAS, S.A. Oralidade e letramento no ensino de Língua Portuguesa: uma proposta de trabalho com o gênero relato pessoal. 2015. Dissertação de Mestrado Profissional em Letras, Universidade Federal de Uberlândia, MG.

DE PIETRO, J-F.; SCHNEUWLY, B. O modelo didático: um conceito da engenharia didática. In: NASCIMENTO, E.L (org.). Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. 2 ed. Campinas, SP: Pontes, 2014. p.51-81.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita – elementos para uma reflexão sobre uma experiência Suíça (francófona). In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.p.41-70.

DOLZ, J. et. al. Sequências didáticas para oral e o escrito: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.

HABERMAS, J. Consciência moral e agir comunicativo. Tradução Guido A. de Almeida. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2013.

HOUAISS. Dicionário online Houaiss. 6 maio. 2019. Disponível em: https://houaiss.uol.com.br/pub/apps/www/v3-3/html/index.php#1 Acesso em 6 mar. 2019.

MACHADO, A. M. Livros: o mundo numa rede encantada. Disponível em: https://www.fnlij.org.br/site/images/documentos/mensagem_dili_ana_maria_machado.pdf Acesso em 22 out. 2018.

MACHADO, A. R..; BRONCKART, J-P. (Re-)configurações do trabalho do professor construídas nos e pelos textos: a perspectiva metodológica do grupo ALTER-LAEL. In: ______. Linguagem e educação: o Trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009, p. 31-77.

MACHADO, A. R..; CRISTOVÃO, V.L. A Construção de modelos didáticos de gêneros: aportes e questionamentos para o ensino de gêneros. In: ______. Linguagem e educação: o ensino e aprendizagem dos gêneros textuais. Organização Lília Santos Abreu-Tardelli e Vera Lúcia Lopes Cristóvão. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009, p. 123-151.

MORELI, S. Primeiros passos rumo às letras. Recanto das Letras. Disponível em: https://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/4844823.Acesso em 22 out. 2018.

PINTO, M. P. Relato Pessoal e suas características. Portal do Professor. Disponível em:http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=55292 Acesso em 22 out. 2018.

RAMOS, A. M. Relato pessoal: uma interface entre o letramento e a tecnologia. 2016. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes, Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Letras/ PROFLETRAS.

ROJO, R. H. R. Interação em sala de aula e gêneros escolares do discurso: Um enfoque enunciativo. In: II CONGRESSO NACIONAL DA ABRALIN, 2000, Florianópolis, SC, Brasil. Anais do II Congresso Nacional da ABRALIN. Florianópolis, SC: UFSC/ABRALIN, v. CD-ROM.

SANTOS, M. L. B. dos. O gênero textual relato de experiência: aspectos da competência linguístico-discursiva do aluno da EJA em produção de textos escritos. 2014.Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

SCHNEUWLY, B. Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogenéticas. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.p.21-39.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J.; Gêneros escolares: das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.p.71-91.

SOUZA, R.H.M. Escrita e práticas interlocutivas na sala aula: aspectos discursivos na produção de artigo de opinião e de relato de memória. 2018. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino na Educação Básica, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista Clarabóia está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:

DOAJ  Latindex IBICT  DIADORIM  ERIHPLUS Redib MIAR WorldCat CiteFactor MLA

Licença Creative Commons
Revista Claraboia está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/claraboia