Refletindo sobre as múltiplas identidades dos professores em tempos de pandemia: professores como intelectuais

Raquel Sampaio Mello, Emanuelle de Souza Fonseca Souza

Resumo


No presente trabalho, buscamos gerar alguns entendimentos a partir das narrativas de professores de línguas durante a pandemia da Covid-19 (SANTOS, 2020). Compreendemos que são muitos os desafios impostos aos discentes na atual conjuntura, sendo assim é necessário que se observe o professor como intelectual e transformador (GIROUX, 1997). Diante disso, faz-se vital pensar que há processos de letramentos, pois novos entendimentos estão se configurando (STREET, 2014), todavia tal reformulação do ensino como o uso do ensino remoto, tem levado aos docentes a refletirem sobre a situação, por isso pensar na qualidade de vida desse novo espaço de construção de conhecimento é fundamental (MILLER et al. 2008). Além de tais subsídios teóricos, esse trabalho está inserido na perspectiva metodológica investigativo-interpretativista da Linguística Aplicada (MOITA LOPES 2013). Ademais, os dados foram gerados juntamente com professores de inglês que estão envolvidos com o ensino a distância. Para a análise dos dados, utilizaremos os conceitos de narrativa de Labov (1972) e Bastos (2005).


Palavras-chave


Identidade; Pandemia; Narrativa

Texto completo:

PDF

Referências


ALLWRIGHT, D. Classroom language learning: public behaviour, private learning. KOTESOL Proceedings. Korea, 2000.

ALLWRIGHT, D.; HANKS, J. The Developing Language Learner. Hampshire, United Kingdom: Palgrave Macmillan, 2009.

BASTOS, L. C. Contando estórias em contextos espontâneos e institucionais – uma introdução ao estudo da narrativa. Calidoscópio. Unisinos, vol. 3, n. 2, maio/ago., 2005, p. 74-87.

BASTOS, L. C.; BIAR, L. Análise de narrativa e práticas de entendimentos da vida social. D.E.L.T.A., v. 31, n. 4, 2015. p. 97-126.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Introdução: A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: teorias e abordagens. Tradução: Sandra Regina. Porto Alegre: Artmed. p.15-41, 2006

FINE. M.; WEIS, L.; WESEEN, S.; WONG, L. Para quem? Pesquisa qualitativa, representações e responsabilidades sociais. In: Denzin, N. K. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. DENZIN, N. K. LINCOLN, Y. S.; tradução Sandra Regina Netz. – Porto Alegre: Artmed, 2006.

GIEVE, S.; MILLER, I. K. What do we mean by quality of classroom life? In: GIEVE, S.; MILLER, I. K. (Eds.) Understanding the language classroom. Hampshire, United Kingdom: Palgrave Macmillan, p.18 – 46, 2006.

GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica de aprendizagem. trad. BUENO, D. – Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LABOV, William. Language in the inner city: studies in the Black English Vernacular. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

MILLER, I. K. et al. Prática Exploratória: questões e desafios. In: GIL, G.; VIEIRA ABRAHÃO, M.H. Educação de professores de línguas: os desafios do formador. Campinas, SP: Pontes Editores, 2008.

MILLER, I. K.; CUNHA, M. I. A. Exploratory Practice: Integration Research into Regular Pedagogic Activities. [S.l], Texto manuscrito, 2009.

MISHLER, Elliot. Research interviewing. Context and narrative. Cambridge: Harvard University Press, 1986.

______. Storylines: craftartists’ narratives of identity. Cambridge: Harvard University Press, 1999.

______. Narrativa e identidade: a mão dupla do tempo. In: Luiz Paulo da Moita Lopes & Liliana Cabral Bastos. Eds. Identidades: recortes multi e interdisciplinares. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

MOITA LOPES, Luiz Paulo. Práticas narrativas como espaço de construção das identidades sociais: uma abordagem socioconstrucionista. In: Branca Telles Ribeiro, Cristina Costa Lima & Maria Tereza Lopes Dantas. Eds. Narrativa, identidade e clínica. Rio de Janeiro: Ipub, 2001.

MOITA LOPES, Luiz Paulo. Identidades fragmentadas: a construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

______. (ed.). Discursos de identidades. Campinas: Mercado das Letras, 2003.

MOITA LOPES, L. P Uma linguística aplicada mestiça e ideológica – Interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

_______________. MOITA LOPES, L. P. Ideology in research methodology. In Carol A. Chapelle (ed.), The encyclopedia of applied linguistics, 1st ed., 1–6. New York: Wiley Blackwell, 2013.

MORAES BEZERRA, I. C. R. “Com quantos fios se tece uma reflexão” Narrativas e argumentações no tear da interação. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2007.

PENNYCOOK, A Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar – São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

SACKS, H.; SCHEGLOFF, E.; JEFFERSON, G. A simplest systematics for the organization of turn taking for conversation. Language. v. 50, n. 4, p. 696-735, 1974. Tradução de: Maria Clara Castellões de Oliveira e Paulo Cortes Gago et al. VEREDAS - Rev. Est. Ling, Juiz de Fora, v. 7, n. 1 e n. 2, p. 9-73, jan./dez. 2003.

SANTOS, B. V. A pedagogia cruel do vírus. Disponível em: https://www.cidadessaudaveis.org.br/cepedoc/2020/04/19/cruel-pedagogia-do-virus-livro-em-pdf/ Acesso em: 20. 08. 2020.

STREET, B. Letramentos Sociais: Abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação/ tradução Bagno, M. - 1 ed. – São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

WOODWARD, K. HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade; tradução de SILVA, T. T. &. LOURO, G. C. Rio de Janeiro, Lamparina, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista Clarabóia está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:

DOAJ  Latindex IBICT  DIADORIM  ERIHPLUS Redib MIAR WorldCat CiteFactor MLA

Licença Creative Commons
Revista Claraboia está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/claraboia