Jakobson, Bakhtin e Foucault: uma reflexão sobre sujeito e enunciado

Paulo Cezar Rodrigues, Aline Rezende Belo Alves

Resumo


Este trabalho tem por objetivo principal refletir sobre as noções de sujeito e enunciado em Bakhtin (2011), Foucault (2000, 2008) e Jakobson (1967, 1985), e também busca responder a questão de pesquisa: por que uma linguística do enunciado? Para tanto, optou-se por uma abordagem e uma análise estritamente teóricas que demonstrou que Bakhtin enfatiza que o enunciado se dá na interação, sempre se dirige a alguém, mesmo que esteja no interior do eu, responde a um enunciado anterior e provoca uma resposta. Foucault entende o enunciado como uma função constituída por um referencial, um sujeito, enquanto lugar vazio, um campo associado, e uma materialidade. Jakobson não utiliza a nomenclatura enunciado, tampouco contempla aspectos sociodiscursivos. Sua teoria considera a relação entre o remetente e o destinatário por meio de um canal físico, utilizando-se de um código comum aos envolvidos, a fim de comunicar uma mensagem.

Palavras-chave


Linguística. Sujeito; Enunciado; Interação; Materialidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. Estética da criação verbal. 6.ed. introdução e tradução do russo Paulo Bezerra. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

BRANCA-ROSOFF, Sônia. Formação discursiva: uma noção excessivamente ambígua? In: BARONAS, Roberto Leiser; KOMESU, Fabiana (org.). Homenagem a Michel Pêcheux: 25 anos de presença na análise do discurso. Tradução Roberto L. Baronas, Dilson Ferreira da Cruz, Fabiana Komesu. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008, p. 127-148.

COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009.

FERNANDES, Cleudemar Alves. A noção de enunciado em Foucault e sua atualidade na Análise do Discurso. In: ____; SANTOS, João Bosco Cabral (org.). Percursos da análise do discurso no Brasil. São Carlos: Editora Clara Luz, 2007, p. 47 – 68.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. (Org.) Manoel Barros da Motta. Tradução, Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008. p. 87 – 143.

GERALDI, João Wanderley. Da redação à produção de textos. In: CHIAPPINI, L. Aprender e ensinar com textos de alunos. São Paulo: Cortez, 1997.

GRANJEIRO, Cláudia Rejane Pinheiro. Foucault, Pêcheux e a formação discursiva. In: BARONAS, Roberto Leiser (org.). Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção de conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007, p. 33 – 45.

HOLENSTEINS, Elmar. Introdução ao pensamento de Roman Jakobson. Traduzido por: Roberto Cortes de Lacerda. Rio de Janeiro. Zahar Edtiores, 1978.

JAKOBSON, Roman. Fonema e Fonologia. Filologia e Linguística. Vol. 2. Traduzido por: J. Mattoso Câmara Jr. Rio de Janeiro. Livraria Acadêmica, 1967.

JAKOBSON, Roman; POMORSKA, Krystyna. Diálogos. Tradução do texto francês Elisa Angotti Kossovitch. São Paulo: Cultrix, 1985.

MACHADO, Roberto. Epistemologia, arqueologia, genealogias. In:______MACHADO, R. Foucault, a ciência e o saber. 3. Ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2006, p. 143 – 181.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista Clarabóia está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:

DOAJ  Latindex IBICT  DIADORIM  ERIHPLUS Redib MIAR WorldCat CiteFactor MLA

Licença Creative Commons
Revista Claraboia está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/claraboia