Maria Mutema, a pedra no caminho da ideologia patriarcal: modelos simbólicos e relações de poder no Grande Sertão: Veredas

Fernanda de Andrade, Ester Myriam Rojas Osorio

Resumo


Este artigo tem a finalidade de analisar as transgressões ideológicas da personagem Maria Mutema, protagonista de um dos episódios mais intrigantes do romance Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa. A proposta é ler os atos e crimes da mulher como símbolos de subversão ao poder patriarcal, o que está alegorizado no assassinato do marido, do padre, nas concepções do narrador jagunço, nos embustes e na perturbadora confissão pública durante o rito católico. Para tanto, investigou-se as parcas possibilidades da condição feminina diante de rígidos modelos impostos pela moral religiosa e sexista do sertão mineiro refratado. Averiguou-se que o escritor matiza a identidade da mulher diferenciada com mitos universais de insubmissão, como Maria Madalena e Lilith, oferecendo uma tenaz leitura histórica das relações de gênero. Com base nessas questões, o estudo buscou as respostas nos aportes teóricos de Geertz (2008) e de Bourdieu (2005), entre outros, que interrogam as fontes simbólicas da cultura e suas eficazes formas de transmitir ideologias.

Palavras-chave


Modelos simbólicos; Ideologia patriarcal; Transgressão; Gênero; Maria Mutema.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKTHIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 4º ed. São Paulo: HUCITEC, 1988.

BARTHES, Roland. Mitologias. Trad. Buongermino e Pedro de Souza. 11º ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BÍBLIA SAGRADA. Versão Digital 5.8 freeware. Bíblia da sociedade bíblica trinitariana do Brasil, 1997.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kuhner. 4.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Trad. Vera da Costa e Silva [et al]. 24º ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio de língua portuguesa. 2º ed. rev. e aum. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade do saber. 14º ed. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. G. Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1º ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

PASSOS, Cleuza R. Guimarães Rosa: do feminino e suas histórias. São Paulo: Hucitec; FAPESP, 2000.

QUALLS-COBERTT, Nancy. A prostituta sagrada: a face do eterno feminino. Trad. Isa F. Leal Ferreira. São Paulo: Edições Paulinas, 1990.

RONCARI, Luiz. O Brasil de Rosa: mito e história no universo rosiano: o amor e o poder. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. São Paulo: Círculo do livro, 1984.

SANTOS, Júlia C. F. Nomes das personagens em Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1971.

SICUTERI, Roberto. Lilith: a lua negra. Trad. Norma Telles e Adolfo S. Gordo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

SELIGMANN-SILVA. Grande Sertão: veredas: como gesto testemunhal e confessional. Alea: Estudos Neolatinos, Rio de Janeiro, v. 11 , n. 1 , p. 130-147, jan,/jun. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-106X2009000100011&script=sci_arttext. Acesso em: 3 abr. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista Clarabóia está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:

DOAJ  Latindex IBICT  DIADORIM  ERIHPLUS Redib MIAR WorldCat CiteFactor MLA

Licença Creative Commons
Revista Claraboia está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/claraboia