PROPOSTAS COM O USO DO GÊNERO DIGITAL MEME: PRODUZINDO SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE LÍNGUAS E PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Atef El Kadri, Bruna Danielly Dainezi, Michelle Andressa Vieira Ramos, Michele Salles El Kadri

Resumo


Este artigo objetiva apresentar o gênero meme como um gênero digital para o ensino de LI por meio de Sequência Didática (SD). Está ancorado na abordagem de gêneros digitais pela perspectiva do Interacionismo Sociodiscursivo. Assim, apresentamos duas propostas de SD com base no gênero meme: uma voltada para o ensino de línguas para alunos da educação básica e outra para ser implementada com professores de inglês em contexto de formação continuada no Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE). A motivação para este trabalho foi o reconhecimento da necessidade de trabalhar com professores da educação básica uma proposta que reconhecesse a inter-relação entre as linguagens produzidas pelas novas tecnologias, o domínio da língua inglesa e abordagem de gêneros digitais por conceber a linguagem como prática social. Justifica-se essa necessidade o fato de que os parâmetros oficiais têm reconhecido a necessidade de práticas de multiletramentos para o ensino de línguas e o reconhecimento de que os novos currículos precisam incorporar o letramento crítico e digital como parte dos objetivos para se aprender uma língua estrangeira. Esperamos que as SD possam contribuir para este fim. 


Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, R. C. PROJETO FORTE: Formação, Reflexão e Tecnologias no Ensino na Bahia In: Letramentos na Web: gêneros, interação e ensino. Fortaleza: Edições UFC, 2009, p. 58-82.

ARAÚJO, N. A avaliação de objetos de aprendizagem para o ensino de língua portuguesa: análise de aspectos tecnológicos ou didático-pedagógicos? In: ARAÚJO, J.; ARAÚJO, N. (Orgs.) EaD em tela: docência, ensino e ferramentas digitais. Campinas. SP: Pontes, p. 179-207, 2013.

BLIKSTEIN, I.; ZUFFO, M. K. As sereias do ensino eletrônico. In: SILVA, M. Educação online. 3. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001. p. 25-40.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Orientações curriculares para o Ensino Médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEF, 2006.

BRONCAKRT, J.P.. Os gêneros de textos e os tipos de discurso como formatos das interações propiciadoras de desenvolvimento. In: MACHADO, Anna Rachel; MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles (Orgs.). Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas: Mercado de Letras, 2006, p.121-160.

COSCARELLI, C. V.;NOVAIS, A. E. Leitura: um processo cada vez mais complexo. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 45, n.3, p. 35-42, 2010.

CRISTOVÃO, V.L.L. Sequências Didáticas para o ensino de línguas. In: DIAS, R.;

CRISTOVÃO, V. L. L. (Org.) . O Livro Didático de Língua Estrangeira: múltiplas

perspectivas. 1a.. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 305-344

CRISTÓVÂO, V. L. L.; ANJOS-SANTOS, L. M. dos. Por uma pedagogia de gêneros digitais para o ensino e educação inicial do professor de língua inglesa. In: RAMOS, R. de C. G.; DAMIÃO, S. M.; CASTRO, S. T. R. de. (Orgs.) Experiências didáticas no ensino-aprendizagem de língua inglesa em contextos diversos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015, p. 107-124.

DAMIÃO, S. M. Desenho de curso e recursos tecnológicos: harmonia ou caos? In: RAMOS, R. de C. G.; DAMIÃO, S. M.; CASTRO, S. T. R. de. (Orgs.) Experiências didáticas no ensino-aprendizagem de língua inglesa em contextos diversos. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2015, p. 147-165.

DIONÍSIO, A. Gêneros multimodais e multiletramento. In: KARWOSKI, M. A. et al. (Org.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. Palmas: Kaygangue, 2005. p. 137-152

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. “Seqüências didáticas para o oral e a

escrita: apresentação de um procedimento”. In: ROXO, R.; CORDEIRO, G. S.

Campinas, Mercado de Letras, 2004, pp. 95-128.

MARCUSCHI, L. A. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Linguagem & Ensino, v. 4, n. 1, 2001, p. 79-111.

NASCIMENTO, R. G. do; BEZERRA, F. A. S.; HEBERLE, V. M. Multiletramentos: iniciação à análise de imagens. Linguagem & ensino, Pelotas, v.14, n. 2, p. 529-552, 2011.

PARANÁ. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares de Língua Estrangeira Moderna para a Educação Básica. Curitiba: SEED, Paraná, 2008.

PAIVA, V.L.M.O. A tecnologia na docência em línguas estrangeiras: convergências e tensões. 2011. Disponível em www.veramenezes.br . Acesso: 10 de janeiro de 2017.

PRENSKY, M. Nativos digitais imigrantes digitais. Tradução: Roberta de Moraes Jesus de Souza .Versão original: Digital Natives Digital Immigrants. On the Horizon, NCB University Press, v. 9, n. 5, 2001, p. 1-6. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2015.

PRENSKY, M. O papel da tecnologia no ensino e na sala de aula. Conjectura, Caxias do Sul, v. 15, n. 2, . 201-204, 2010. Disponível em: . Acesso em: 06 fev. 2015.

RIBEIRO, A. E. Letramento digital: um tema em gêneros efêmeros. Revista da ABRALIN, Belém,v. 8, n. 1, p. 15-38, 2009.

SILVA, A. T. da. Caminhos para a produção e utilização de recursos audiovisuais no ensino de línguas. In: ARAÚJO, J.; ARAÚJO, N. (Orgs.) EaD em tela: docência, ensino e ferramentas digitais. Campinas. SP: Pontes, p. 91-118, 2013.

XAVIER, A. C. dos S. Letramento digital e ensino. In. SANTOS, C. F.; MENDONÇA, M. (Orgs.). Alfabetização e letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p.133-148. Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2015.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. Trad. Jeferson Luiz Camargo. São

Paulo, Martins Fontes, 1993 (Psicologia e Pedagogia).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe