UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DIGITAL DE FÍSICA

Felippe Guimarães Maciel, Maria de Fátima da Silva Verdeaux

Resumo


Neste artigo apresenta-se os resultados de uma investigação que buscou elaborar critérios avaliativos para livros didáticos digitais (LDD) de Física, que são materiais didáticos alocados em plataformas digitais móveis, como tablets, e em geral com conexão à internet. Diferentemente do livro tradicional no qual a leitura é linear, o LDD pode aproveitar as potencialidades do suporte para estruturar o conteúdo a ser ensinado de uma maneira inovadora, incorporando recursos multimídia e hipertextuais ao texto. Acredita-se que esses materiais, embora recentes no contexto educacional brasileiro, são elementos presentes nos sistemas didáticos e configuram novas relações entre os atores do processo: o conteúdo, o professor e os estudantes. Os critérios aqui apresentados podem ser assumidos como um amálgama dos referenciais teóricos escolhidos para conduzir nossas investigações (transposição didática e midiática, novas tecnologias de informação, comunicação e expressão e configurações de hipertexto) e de uma revisão bibliográfica acerca da avaliação de livros didáticos e softwares educacionais. 


Texto completo:

PDF

Referências


ASTOLFI, Jean-Pierre; DEVALAY, Michel. A didática das ciências. Tradução de Magda S. S. Fonseca. 2. ed. Campinas: Papirus, 1991.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio. Brasília: MEC, 2000.

______. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio: orientações complementares aos PCN – Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Guia de livros didáticos: PNLD 2012 – Física. Brasília: MEC, 2011.

______. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Edital de convocação nº 01/2013, de 16 de janeiro de 2013, que abre o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas do ensino médio no âmbito do PNLD 2015. Portal do FNDE, Brasília, 03 de jul. 2013. Disponí-vel em: . Acesso em 04 de out. 2017.

______. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Edital de pregão eletrônico nº 65/2013, de 20 de dezembro de 2013, que compõe o pregão eletrônico para eventual aquisição de tablets educacionais. Portal de compras FNDE, Brasília, 25 de jun. 2014. Disponível em: . Acesso em 04 de out. 2017.

BROCKINGTON, Guilherme; PIETROCOLA, Maurício. Serão as regras da transposição didática aplicáveis aos conceitos de física moderna? Investigações em Ensino de Ciências, v. 10, n. 3, p. 387-404, 2005.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Tradução de Bruno Magne. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

CHEVALLARD, Yves. La transposición didáctica: del saber sábio al saber enseñado. Tra-dução de Cláudia Gilman. 3. ed. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2009.

ESQUEMBRE, Francisco. Computers in physics education. Computer Physics Communications, v. 147, n. 1-2, p. 13-18, 2002.

GARONCE, Francisco Viera. Os papéis docentes nas situações de webconferência: um es-tudo de caso acerca da ação educativa presencial conectada. 2009. 225 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

LEITE, Miriam Soares. Recontextualização e transposição didática: introdução à leitura de Basil Bernstein e Yves Chevallard. Araraquara: Junqueira&Marin, 2007.

LÉVY, Pierre. Tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

MACIEL, Felippe Guimarães. Critérios para avaliação de livro didático digital de física. 2014. 165 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências) – Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

MACHADO, Nilson José. Epistemologia e didática: as concepções de conhecimento e inteligência e a prática docente. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

MEDEIROS, Alexandre; MEDEIROS, Cleide Farias de; Possibilidades e Limitações das Simulações Computacionais no Ensino da Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 24, n. 2, p. 77–86, 2002.

MELLO, Káthia. Colégio do DF inclui tablets na lista de material de 2012. G1, Distrito Fede-ral, 07 de novembro de 2011. Notícias. Disponível em: . Aces-so em: 04 de out. 2017.

MELO, Ruth Brito de Figueiredo. A Utilização das TIC’S no processo de Ensino e Aprendizagem da Física. In: Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação: redes sociais e aprendizagem, 3, 2010, Recife/PE. Anais eletrônicos..., Recife: UFPE, 2010.

OLIVEIRA, Celina Couto de; COSTA, José Wilson da; MOREIRA, Márcia. Ambientes informatizados de aprendizagem: a produção e avaliação de software educativo. Campinas: Papirus, 2001.

PAULINO, Suzana Ferreira. Livro tradicional x livro eletrônico: a revolução do livro ou uma ruptura definitiva? Hipertextus Revista Digital, v. 3, 2009.

SANTOS, Sandra Maria de Oliveira. Critérios para avaliação de livros didáticos de química para o ensino médio. 2006. 234 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Uni-versidade de Brasília, Brasília, 2006.

SANTOS, Gilberto Lacerda; BRAGA, Camila Brasil. Tablets, laptops, computadores e crianças pequenas: novas linguagens, velhas situações na educação infantil. Brasília: Editora Liber Livro, 2012.

SOUZA, Francislê Neri de; MOL, Gerson Souza. Livro didático digital de química: princípios para a construção em tablets. Enseñanza de las Ciências, v. extra, p. 2496-2501, 2013.

VASSILIOU, Magda; ROWLEY, Jennifer. Progressing the definition of “e-book”. Library Hi Tech, [S. l.], v. 26, n. 3, p. 355-68, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.