INSTRUMENTOS PARA A ANÁLISE DA RELAÇÃO COM O SABER EM SALA DE AULA

Sergio de Mello Arruda, Marinez Meneghello Passos

Resumo


Esse artigo apresenta três instrumentos de pesquisa que podem ser utilizados para analisar as relações com o saber em sala de aula. Os instrumentos, denominados Matriz do Professor – M(P), Matriz do Estudante – M(E) e Matriz do Saber – M(S), foram elaborados a partir da aplicação das relações epistêmicas, pessoais e sociais com o saber a um modelo triangular da sala de aula (triângulo didático-pedagógico). A Matriz do Professor, mais antiga, foi utilizada na elaboração de várias dissertações e teses já defendidas em nosso grupo de pesquisa. As duas outras Matrizes M(E) e M(S), sendo mais recentes, ainda estão em fase de aplicações e testes. Alguns resultados são discutidos e comentados aqui, em especial, as diferenças que professores em formação e em serviço apresentam ao se relacionarem com o ensinar e com o aprender.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, R. N. A formação da identidade docente no contexto do PIBID: um estudo à luz das relações com o saber. 2017. 165f. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática do Centro de Ciências Exatas) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina. 2017.

ARRUDA, S. M.; BENÍCIO, M. A.; PASSOS, M. M. Um instrumento para a análise das percepções/ações de estudantes em sala de aula. Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologia, v. 10, p.1-21, 2017.

ARRUDA, S. M.; LIMA, J. P. C.; PASSOS, M. M. Um novo instrumento para a análise da ação do professor em sala de aula. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v.11, p.139-160, 2011.

ARRUDA, S. M.; PASSOS, M. M. A relação com o saber na sala de aula. Anais do IX EDUCOM – Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”. Aracaju, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

ARRUDA, S. M.; PASSOS, M. M.; ELIAS, R. C. Percepções de professores de física do ensino médio sobre o sistema blocado. Currículo Sem Fronteiras, v.17, n.1, p.132-154, 2017.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005.

GAUTHIER, C.; MARTINEAU, S.; DESBIENS, J. F.; MALO, A.; SIMARD, D. Por uma Teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí, 2006.

GAUTHIER, C.; TARDIF, M. A Pedagogia: teorias e práticas da antiguidade aos nossos dias. Petrópolis: Vozes, 2013.

HOUSSAYE, J. Prazer. Currículo sem Fronteiras, v.7, n.2, p.71-77, 2007.

LARGO, V. O PIBID e as relações de saber na formação inicial de professores de matemática. 2013. 214f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina. 2013.

LATOUR, B. A Esperança de Pandora. Bauru: Edusc, 2001.

MAISTRO, V. I. A. Formação inicial: o estágio supervisionado segundo a visão de acadêmicos do curso de Ciências Biológicas. 2012. 126f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina. 2012.

PASSOS, M. M. O professor de matemática e sua formação: análise de três décadas da produção bibliográfica em periódicos na área de Educação Matemática no Brasil. 2009. 328f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Unesp – Universidade Estadual Paulista, Bauru. 2009.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente. Petrópolis: Vozes, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe