GRELHA DE ANÁLISE DO PAPEL DAS ATIVIDADES LABORATORIAIS DOS MANUAIS ESCOLARES DE CIÊNCIAS NA APRENDIZAGEM ARTICULADA DE PROCESSOS CIENTÍFICOS E ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS

José Luís de Jesus Coelho da Silva, Maria Armanda Carvalho

Resumo


A perpetuação dos manuais escolares por sistemas educativos sucessivos e a relevância por eles assumida no ensino e aprendizagem justificam que sejam tomados recorrentemente e, em particular, após reformas educativas como objeto de avaliação e investigação. Importa acentuar um ensino das Ciências que não se limite ao conhecimento substantivo mas que valorize outras dimensões, nomeadamente, a aprendizagem de processos científicos e de estratégias metacognitivas. Estes pressupostos sustentam a construção de uma grelha que oriente a análise, tanto no contexto pedagógico como investigativo, da operacionalização dos processos científicos e de estratégias metacognitivas em atividades laboratoriais de manuais escolares e que se constitua como um referencial na conceção deste tipo de atividades por professores e autores de manuais escolares. A inclusão numa mesma grelha de processos científicos e estratégias metacognitivas justifica-se pelo contributo significativo das estratégias metacognitivas na aprendizagem e, consequentemente, na aprendizagem dos processos científicos. A grelha especifica várias vertentes dos processos científicos e das estratégias metacognitivas que, em conjunto, concorrem para a compreensão da sua natureza e para o desenvolvimento da capacidade de execução. Integra vários modos de operacionalização, concebidos em função da natureza do enfoque que podem assumir e do pressuposto das atividades laboratoriais como um meio promotor do desenvolvimento da autonomia dos alunos. A aplicação da grelha implica uma análise qualitativa mas também permite uma análise quantitativa do modo de operacionalização dos processos científicos e das estratégias metacognitivas e, consequentemente, a caracterização, acompanhada ou não do estabelecimento de tendências e regularidades, das atividades laboratoriais incluídas em manuais escolares.


Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, M. M. A educação científica no 1.º ciclo do ensino básico – das teorias às práticas. Porto: Porto editora, 2008.

ANTUNES, C. et al. Descobrir a Terra 8. Ciências Naturais, 8.º ano. Porto: Areal Editores, 2014.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Lisboa: Dinalivro, 2006.

CAAMAÑO, A. & COROMINAS, J. ¿Cómo abordar con los estudantes la planificación de los trabajos prácticos investigativos? Alambique, Barcelona, n.º 39, p. 52-63, 2004.

CAAMAÑO, A. ¿Como transformar los trabajos prácticos tradicionales en trabajos prácticos investigativos? Aula de Innovación Educativa, Barcelona, n.º 113, p. 21-26, 2002.

CAAMAÑO, A. Los trabajos prácticos en ciencias. In: JIMÉNEZ ALEIXANDRE, M. P. (Coord.). Enseñar Ciencias. Barcelona: GRAÓ, 2003, p. 95-118.

CAMPOS, C. & DIAS, M. Terra CN. Ciências Naturais, 8.º ano. Lisboa: Texto Editores, 2014.

CARRAJOLA, C. et al. Projeto Desafios. Ciências Naturais, 9.º ano. Barcarena, Portugal: Santillana, 2015.

COELHO DA SILVA, J. L. & LEITE, L. Atividades laboratoriais em manuais escolares: proposta de critérios de análise. Boletín das Ciencias, X Congreso de ENCIGA. Santiago de Compostela, ano X, n.º 32, p. 259-264, 1997.

COELHO DA SILVA, J. L. Actividades laboratoriais e autonomia na aprendizagem das Ciências. In: VIEIRA, F. et al. (Eds.). Pedagogia para a autonomia – Reconstruir a esperança na educação. Actas do 4.º Encontro do GT-PA (Grupo de Trabalho – Pedagogia para a Autonomia). Braga: Universidade do Minho, Centro de Investigação em Educação, 2009, p. 205-218.

COSTA, I. et al. Viva a Terra! Ciências Naturais, 8.º ano. Porto: Porto Editora, 2014.

COSTA, I. et al. Viva a Terra! Ciências Naturais, 9.º ano. Porto: Porto Editora, 2015.

DELGADO, C. et al. À Descoberta da Vida 8. Ciências Naturais, 8.º ano. Lisboa: Texto Editores, 2014.

GARCÍA BARROS, S. & MARTÍNEZ LOSADA, C. Análisis del trabajo práctico en textos escolares de primaria e secundaria. Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, número extra, p. 5-16, 2003.

GONÇALVES, A., MAGALHÃES, P. & LOURENÇO, S. Ciência Viva 6 - Parte 2. Ciências Naturais, 6.º ano, 2.º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Raiz Editora, 2017.

GONÇALVES, J. Mudança conceptual e aprender a aprender: Uma abordagem integrada na temática Morfofisiologia do Sistema Circulatório. Relatório de mestrado, Universidade do Minho, 2012.

JIMÉNEZ RAYA, M., LAMB, T. & VIEIRA, F. (2007). Pedagogia para a autonomia na educação em Línguas na Europa. Para um quadro de referência do desenvolvimento do aluno e do professor. Dublin: Authentik, 2007.

LUNA, M. Experiencias prácticas en la enseñanza de la biología. In: CAÑAL, P. (Coord.). Biología y Geología. Investigación, innovación y buenas práticas. Barcelona: GRAÓ, 2011, p. 77-99.

MAGALHÃES, P. & LOURENÇO, S. Ciência Viva 5. Ciências Naturais, 5.º ano, 2.º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Raiz Editora, 2016.

MARTÍN, E. & MORENO, A. Competencia para aprender a aprender. Madrid: Alianza Editorial, 2009.

MARTÍNEZ LOSADA, C. & GARCÍA BARROS, S. Las actividades de primaria e ESO incluídas en libros escolares. ¿Qué objetivo persiguen? ¿Qué procedimientos enseñan? Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 21, n.º 2, p. 243-264, 2003.

MARTINS, I. et al. Explorando interacções… Sustentabilidade na Terra: guião didático para professores. Lisboa: Ministério da Educação, Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular, 2010.

MARTINS, I. et al. Explorando plantas… Sementes, germinação e crescimento: guião didático para professores. Lisboa: Ministério da Educação, Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular, 2007.

MARTINS, I. et al. Explorando… mudanças de estado físico: guião didático para professores. Lisboa: Ministério da Educação, Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular, 2008.

MOREIRA, J. et al. Compreender o Ambiente 8 - Parte 1. Ciências Naturais, 8.º ano. Porto: Areal Editores, 2014.

MOTTA, L. et al. Terra à vista! Parte I. Ciências Naturais, 6.º ano. Porto: Porto Editora, 2017.

MOTTA, L. et al. Terra à vista! Parte II. Ciências Naturais, 5.º ano. Porto: Porto Editora, 2016.

OLIVEIRA, O. et al. Ciência & Vida 8, 8.º ano de escolaridade. Porto: ASA, 2014.

PEREIRA, A. Educação para a Ciência. Lisboa: Universidade Aberta, 2002.

PEREIRA, C. et al. Exploratório 8. Ciências Naturais, 8.º ano, 3.º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Raiz Editora, 2014.

PEREIRA, C. et al. Exploratório 9. Ciências Naturais, 9.º ano, 3.º Ciclo do Ensino Básico. Lisboa: Raiz Editora, 2015.

PINHEIRO, C. As actividades experimentais no desenvolvimento da autonomia do aluno: Um estudo de caso no 1.º ciclo do ensino Básico. Dissertação de mestrado, Universidade do Minho, 2012.

PIRES, A. & GONÇALVES, H. A Grande Aventura. Estudo do Meio, 4.º ano. Porto: Areal Editores, 2013.

PORTUGAL. Lei nº 47/2006 de 28 de agosto. Diário da República, Assembleia da República. Lisboa, 28 de agosto de 2006. 1ª Série, n.º 165, p. 6213-6218.

PRO BUENO, A. ¿Se pueden enseñar contenidos procedimentales en las clases de Ciencias? Enseñanza de las Ciencias, Barcelona, v. 16, n.º 1, p. 21-41, 1998.

PRO BUENO, A. Actividades de laboratorio y enseñanza de contenidos procedimentales. In: SEQUEIRA, M. et al. (Orgs.). Trabalho prático e experimental na educação em Ciências. Braga: Universidade do Minho, Instituto de Educação, 2000, p. 109-124.

PRO BUENO, A. Conocimiento científico, ciencia escolar y enseñanza de las ciencias en la educación secundaria. In: CAÑAL, P. (Coord.). Didáctica de la Biología y Geología. Barcelona: GRAÓ, 2011, p. 9-28.

PUJOL, R. Didáctica de las ciencias en la educación primaria. Madrid: Editorial Síntesis, 2007.

RODRIGUES, A. et al. Estudo do Meio 4. Estudo do Meio, 4.º ano. Porto: Areal Editores, 2013.

SÁ, J. Renovar as práticas no 1.º ciclo pela via das Ciências da Natureza. Porto: Porto Editora, 2002.

SANMARTÍ, N. Didáctica de las ciencias en la educación secundaria obligatoria. Editorial Síntesis, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe