O PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO (PNLD) E OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS

Marcelo D'Aquino Rosa

Resumo


Este texto discute aspectos referentes ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) e às questões relacionadas aos aspectos econômicos, culturais e políticos que cercam o livro didático de Ciências. O aporte financeiro destinado ao PNLD é considerável, sendo igualmente representativo o número de estudantes da rede pública que recebem este material. Também merece análise a questão dos currículos presentes nas coleções didáticas e em que medida dialogam com os documentos curriculares oficiais. Como resultado das análises realizadas neste trabalho, pode-se considerar que o livro didático se caracteriza como produto de uma indústria cultural que reproduz determinados valores e conhecimentos e está inserido em uma política que determina seu papel em nosso sistema educacional, necessitando de um olhar atento das pesquisas sobre os aspectos relacionados aos seus contextos de produção e uso pedagógico.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ABRÚCIO, F. L. Três agendas, seus resultados e um desafio: balanço recente da administração pública federal brasileira. Desigualdade & Diversidade – Dossiê Especial, p. 119-142, 2011.

AMARAL, I.; MEGID NETO, J. Qualidade do Livro Didático de Ciências: o que define e quem define? Ciência & Ensino, v. 2, 1997.

BITTENCOURT, C. M. F. Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. Tese de Doutorado, Departamento de História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1993.

BIZZO, N. Graves erros de conceito em livros didáticos de Ciência. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, vol. 21, n. 121, pág. 26-35, 1996.

BRASIL. Programa Nacional do Livro Didático. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Secretaria de Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1985. [Disponível em Acesso em 16.11.2015].

______. Parâmetros Curriculares Nacionais. Secretaria de Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, DICEI, 2013.

CARNEIRO, M. H. S.; SANTOS, W. L. P.; MÓL, G. S. Livro Didático inovador e professores: uma tensão a ser vencida. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, v. 07, n. 2, p. 35-45, 2005.

CASSIANO, C. C. F. Circulação do livro didático: entre práticas e prescrições políticas públicas, editoras, escola. Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: História, Política, Sociedade, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

______. Mercado do livro didático no Brasil. In: I Seminário Brasileiro sobre o livro & História Editorial, Rio de Janeiro, 2004. Anais.. Rio de Janeiro, 2004.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, vol. 30, n. 3, p. 549-566, 2004.

CURY, C. R. Do direito de aprender: base do direito à Educação. In: ABMP. Todos pela Educação (Org.). São Paulo: Saraiva, 2013.

DELIZOICOV, N. C. O professor de Ciências Naturais e o livro didático (No Ensino de Programas de Saúde). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Educação, Florianópolis, SC, Universidade Federal de Santa Catarina, 1995.

ECHEVERRÍA, A. R.; MELLO, I. C.; GAUCHE, R. Livro Didático: Análise e utilização no Ensino de Química. In: SANTOS, W. L. P.; MALDANER, O. A. (Orgs.). Ensino de Química em Foco. Ijuí: Editora Unijuí, p. 263-286, 2010.

EL-HANI, C. N.; ROQUE, N.; ROCHA, P. L. B. Livros Didáticos de Biologia do Ensino Médio: Resultados do PNLEM/2007. Educação em Revista, v. 27, n. 1, p. 211-240, 2011.

FADUL, A. Indústria cultural e comunicação de massa. São Paulo: FDE, 1994. (Série Ideias, n. 17). [Disponível em: www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/c_ideias_17_053_a_059.pdf. Acesso em: 21/10/2016].

FARIA, A. L. G. Ideologia no livro didático. São Paulo: Ed. Cortez, Autores Associados, 1987 (6ª edição).

FERREIRA, H. R. Reflexões sobre a escolha do Livro Didático. Revista de Ciências da Educação, v. 2, n. 3, 2000.

FREITAG, B.; COSTA, W.; MOTTA, V. O livro didático em questão. São Paulo: Ed. Cortez, 1989.

FREITAS, D. T. A concepção de educação básica no discurso político brasileiro. In: ___; FEDATTO, N. A. S. Educação básica: discursos e práticas político-normativas e interpretativas. Dourados, MS: Editora UFGD, 2008.

GARCIA, N. M. D. Livro didático de Física e de Ciências: contribuições das pesquisas para a transformação do ensino. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 44, p. 145-163, Editora UFPR, 2012.

GRAMOWSKI, V. B.; DELIZOICOV, N. C.; MAESTRELLI, S. R. P. O livro didático: a fragmentação dos conteúdos das ciências naturais. Revista de Ensino de Biologia da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio), v. 7, p. 7312-7323, 2014.

HÖFLING, E. M. Notas para discussão quanto à implementação de programas de governo: em foco o Programa Nacional do Livro Didático. Educação e Sociedade, v. 21, n. 70, p. 159-170, 2000.

MACHADO, N. J. Sobre o livro didático: quatro pontos. Revista Em Aberto (Inep), v. 16, n. 69, p. 30-39, 1996.

MUNAKATA. K. O livro didático: alguns temas de pesquisa. Revista Brasileira de História da Educação, vol. 12, n. 3(30), p. 179-197, 2012a.

______. O livro didático como mercadoria. Pro-Posições, vol. 23, n. 3(69), pág. 51-66, 2012b.

OLIVEIRA, J. B. A.; GUIMARÃES, S. D. P. G.; BOMÉNY, H. M. B. A política do livro didático. São Paulo: Campinas, Ed. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 1984.

ROSA, M. D. O uso do livro didático por professores de Ciências Naturais na Educação Básica: uma investigação em algumas pesquisas acadêmicas. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – X ENPEC. Águas de Lindóia, SP, 2015. Anais.. CD-ROM: ABRAPEC, 2015a.

______. Algumas reflexões temporais e econômicas sobre o Programa Nacional do Livro didático. In: VII Encontro Regional Sul de Ensino de Biologia – VII EREBIO. Criciúma, SC, 2015. Anais.. E-Book: SBEnBio, 2015b.

ROSA, M. D.; MEGID NETO, J. Livro didático de Ciências, Programa Nacional do Livro Didático e Indústria Cultural: alguns elementos para reflexão. Revista de Ensino de Biologia (Associação Brasileira de Ensino de Biologia – SBEnBio), v. 8, p. 1346-1357, 2016.

XIMENES, S.B. Direito à qualidade na Educação Básica: teoria e crítica. São Paulo: Quartir Latin, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.