O QUE PROFESSORES E ALUNOS PERGUNTAM SOBRE SEXUALIDADE?

Lilian Aparecida Teixeira, Marinez Meneghello Passos, Denis Augusto Frigo, Virgínia Iara de Andrade Maistro, Sergio de Mello Arruda

Resumo


Trabalhar os temas relacionados à Educação Sexual, apesar de todas as formações iniciais e continuadas, oferecidas atualmente, ainda tem sido um problema nas escolas de Educação Básica. Desta forma, devemos considerar que programas de extensões das universidades têm sido de grande valia, pois levam muitas orientações aos professores, e, por conseguinte, aos alunos, além de contribuírem com a formação dos futuros professores, atuais estudantes das licenciaturas. Assim, a questão que norteou nossa investigação foi: Quais são as dúvidas que professores e alunos possuem sobre Educação Sexual? Para tanto, utilizamos um levantamento de perguntas feitas nos anos de 2013, 2014 e 2015 por professores e alunos e nos baseamos nos procedimentos metodológicos da Análise Textual Discursiva para organização dos dados. Além disso, para a análise, utilizamos o software webQDA que permitiu evidenciar as palavras significantes mais frequentes. Interpretamos que seis das dez palavras mais frequentes nas perguntas, feitas pelos sujeitos de pesquisa, eram comuns nas questões dos professores e dos alunos, fato que nos levou a gerar uma nova indagação: Como os professores podem trabalhar temáticas relacionadas à Educação Sexual, se eles têm as mesmas dúvidas que seus alunos? Fato esse que nos levou a reorganizar nossas propostas de projetos e concluirmos que os cursos de extensão universitária são importantes, pois corroboram em suprir a carência de informação dos professores da Educação Básica para trabalhar a sexualidade, com uma melhor educação dos alunos, bem como para a formação inicial de futuros professores.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Porto: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural e orientação sexual, v.8, n.10. Brasília, 1997.

CARVALHO, A. M. O.; BRUNS, M. A. T. Questões de gênero no contexto escolar e formação docente: interdiálogo pertinente. In: BRUNS, M. A. T.; MELO, S. M. M. M. (org.). Desafios da Educação sexual: interfaces pertinentes com comunicação e tecnologia. Curitiba: CRV, cap.10, p.211-230, 2016.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Educação sexual: múltiplos temas, compromisso comum. Londrina: UEL, 2009.

FURLANI, J. Educação sexual na sala de aula: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

LEÃO, A. M. C.; RIBEIRO, P. R. M.; BEDIN, R. C. Sexualidade e orientação sexual na escola em foco: algumas reflexões sobre a formação de professores. Linhas, Florianópolis, v.11, n.1, 2010.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação – Uma perspectiva pós-estruturalista. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Unijuí, 2007.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Sexualidade. Departamento de Diversidades. Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual – Curitiba: SEED, 2009.

SILVA, V. Ensino, pesquisa e extensão: uma análise das atividades desenvolvidas no GPAM e suas contribuições para a formação acadêmica. Base de dados do Scielo, Vitória, nov. 2011. Disponível em: http://www.prac.ufpb.br/copac/extelar/atividades/discussao/artigos/conceitos_de_extensao_universitaria.pdf. Acesso em: 15 out. 2016.

SOUZA, F. N.; COSTA A. P.; MOREIRA, A. Análise de dados qualitativos suportada pelo software webQDA. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE TIC NA EDUCAÇÃO: perspectivas de inovação, 7., 2011, Braga. Atas [...]. Braga: Challanges, 2011. p.49-56.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico    Latindex Sumarios

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE - ISSN: 2526-9542