DAS MEMÓRIAS ÀS IDEIAS: ORIENTAÇÕES SOBRE A VISUALIDADE NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA SURDOS

Maria Eliana Soares, Elielson Ribeiro Sales

Resumo


Resultado de um estudo desenvolvido no Programa de Mestrado Profissional em Docência em Educação em Ciências e Matemáticas, pelo Instituto de Educação Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará, este trabalho surgiu das indagações: O que os estudantes surdos pensam sobre suas aulas de Matemática? O que pode sensibilizar professores a otimizar o ensino de Matemática para surdos? Para tanto, objetiva subsidiar a reflexão de professores, sobretudo, de professores de Matemática para a Educação Matemática de surdos, e consiste num vídeo produzido a partir de uma entrevista videogravada com cinco estudantes surdos. Adotamos a Análise Textual Discursiva (ATD) e a tradução/interpretação em Língua Brasileira de Sinais (Libras), para dar visibilidade a Libras, com auxílio de uma intérprete e um colaborador surdo. A relevância deste produto está na evidência da Pedagogia Visual como metodologia de ensino, na perspectiva de orientações sobre a importância da visualidade na Educação Matemática para surdos. 


Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, D. Materiais Didáticos. Curitiba, PR: IESDE, 2009. 456p.

BAQUERO, R. Vygotsky: sujeito e situação, as chaves de um programa psicológico. In: CASTORINA; CARRETERO (Orgs.). Desenvolvimento Cognitivo e Educação: os inícios do conhecimento. Trad. Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Penso, 2014. p. 56-77

BICUDO, M. A. V.; GARNICA, A. V. M. Filosofia da educação matemática. 3ª edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. 92p

BOSI, E. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: T. A Queiroz, 1979.

BRASIL. MEC/SEESP. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva: documento elaborado pelo grupo de trabalho nomeado pela Portaria Ministerial nº 555, de 05 de junho de 2007, prorrogada pela Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007.

CAMPELO, A. R. S. Pedagogia Visual/Sinal da comunicação dos surdos. IN: QUADROS, R. M.; PERLIN, Gladis (Orgs.). Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007. p.100-131

CERQUEIRA, T. C. S.; SOUSA, E. M. [et al.] (Con)Texto em escuta sensível, Brasília: Thesaurus, 2011. 198 p.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiências e histórias na pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2011.

DALCIN, G. Um estranho no ninho: um estudo psicanalítico sobre a constituição da subjetividade do sujeito surdo. In: QUADROS R. M. (org.). Estudos surdos I – Bloco B – Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2006. 324 p.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática. São Paulo: Ática, 1990. p. 15-19.

________. Educação matemática: da teoria à prática. 17ª ed. Papirus. Campinas, São Paulo, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 5ª ed. São Paulo: Plexus editora, 2002.

GONSALVES, E. P. Conversas sobre iniciação à pesquisa científica. Campinas, SP: Alínea, 2001.

GRONDIN, J. Hermenêutica. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editoral, 2012. 150p.

HONORA, M.; FRIZANCO, M. L. Esclarecendo as Deficiências: Aspectos teóricos e práticos para contribuir com uma sociedade inclusiva. São Paulo, SP: Ciranda Cultural Editora Ltda., 2008.

KAUARK, F.; MANHÃES, F. C. MEDEIROS, C. H. Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010.

LIMA, C. M. Educação de surdos: desafios para a prática e formação de professores. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2015.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. (Reimpressão). São Paulo: EPU, 1986.

MINAYO, M. C. S. et al. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18ª ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORAES; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2007.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Tradução José Teixeira Coelho Neto. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2005. 349 p.

RADFORD, L. Elementos de una teoria cultural de la objetivación. Revista Latinoamericana de Investigación em Matemática Educativa, p. 103-129, número especial, 2006a.

_______. Semiótica y Educación Matemática. Relime. Número especial. 2006b. p.7-21.

_______. DEMERS, S.; MIRANDA, I. Processus d’abstraction em mathematics: repères pratiques conceptuels. Imprimeur de la Reine pour l’Ontario et Université Laurentienne, 2009.

_______; PERLIN, G. (Orgs.). Estudos surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

QUADROS, R. M; PERLIN, G. (Orgs.). Estudos surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

_______. Educação, educação matemática e teoria cultural da objetivação: uma conversa com Luís Radford. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 1, p. 243-260, jan./mar. 2015. Disponível em Acesso em 11 de julho de 2016.

SÁ, N. R. L. Cultura, poder e educação de surdos. 2ª ed. São Paulo: Paulinas, 2010. 363p.

SALES, E. R. A visualização no ensino de matemática: uma experiência com alunos surdos. 2013. 235 f. Tese. (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, 2013.

SANTAELLA, L. ; NÖTH, W. Imagem, cognição, semiótica, mídia. Iluminuras. São Paulo, 1998.

_______. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTANA, A. P. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Plexus, 2007.

SHIFFMAN, Harvey, R. Sensação e percepção. 5ª. ed. Rio de janeiro, LTC, 2005.

SOUZA, E. C. O conhecimento de si: narrativas do itinerário escolar e formação de professores. TERRA/UFBA, 2004. 344p.

VEER, R. V.; VALSINER, J. Vygotsky: uma síntese. 6ª. ed. Trad. Cecília C. Bartalotti. São Paulo: Loyola, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 521p

_______. Pensamento e linguagem. Edição eletrônica: Ed Ridendo Castigat Mores. Tradução Nélson Jhar Garcia. Copyright ©: Setembro, 2001. 159p.

_______. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores (Org. Michel Cole et al.). Trad. José Cipolla Neto [et al]. 7ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe