AS MOTIVAÇÕES NA INSERÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS NA DOCÊNCIA E O DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADES E COMPETÊNCIAS PARA ENSINAR

Jose Maria Furtado Junior, Robson José de Souza Domingues, Valéria Marques Ferreira Normando

Resumo


A entrada do fisioterapeuta na docência superior é um processo desacompanhado, irregular e sem preparação, levando muitos professores a personificar, no início da carreira, o modelo de professor que vivenciou na sua graduação. Os objetivos dessa pesquisa foram caracterizar a inserção de fisioterapeutas na docência e suas motivações, através de estudo descritivo com abordagem qualitativa, por meio de entrevistas semi-estruturadas. A amostra envolveu 53 professores do Curso de Fisioterapia da Universidade do Estado do Pará (UEPA), de Belém e Santarém.Identificaram-se, após a análise de conteúdo das respostas dos entrevistados, dois temas de interesse: 1) As habilidades e competências do professor; 2) Inserção e motivações do fisioterapeuta na docência.Os quais sofreram inferências sendo confrontadas com a literatura, desenhando como o professor se vê na prática docente, o que faz para se qualificar, quais as motivações os levaram a serem e se manterem professores e que novas habilidades e competências desenvolveram para melhor ensinar.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo.1ªed. São Paulo,SP: Edições 70, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Fisioterapia.

Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES042002.pdf

Acesso em: 18/04/2016

BISPO JÚNIOR, José Patrício. Formação em Fisioterapia no Brasil: reflexões sobre a expansão do ensino e os modelos de formação. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.16, n.3, p.655-668. 2009.

CANZONIERI, A. M. Metodologia da pesquisa qualitativa na saúde. 2ª.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011

COSTA, D. Dez anos de pós-graduação stricto sensu em Fisioterapia no Brasil: O que mudou? Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 11, n. 1, p. 1-82, 2007.

DE LA-ROCQUE BARROS WARKEN, Gianne; FREITAS, Jofre Jacob da Silva; DOMINGUES, Robson José de Souza; KIETZER, Katia Simone. A formação acadêmica e a produção do conhecimento científico do fisioterapeuta pesquisador amazônida. RBPG. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 12, n. 29, 2015.

FERRETI, F. Fisioterapia: Considerações sobre uma ciência em construção. 26. ed. Ijuí: Unijuí, 2002. 183 p.

GADOTTI, M. Pedagogia: diálogo e conflito. 8ªed. São Paulo,SP: Cortez, 2008.

GOMES, Andréia Patrícia; REGO, Sérgio. Transformação da educação médica: é possível formar um novo médico a partir de mudanças no método de ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 35, n. 4, p. 557-66, 2011.

GOMES CAMPOS, C. J. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, v.57, n.5, p.611-614, set-out, 2004.

MARQUES, Amélia Pasqual; SANCHES, Eugênio Lopes. Origem e Evolução da Fisioterapia: aspectos históricos e legais. Revista Fisioterapia e Pesquisa, v. 1, n.1, p. 5-10, 1994.

OKAZAKI ROWE, Diva Ester; BITTENCOURT BASTOS, Antonio Virgílio; MORENO PINHO, Ana Paula. Comprometimento e entrincheiramento na carreira: um estudo de suas influências no esforço instrucional do docente do ensino superior. RAC – Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 6, 2011.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora, 2014.

PERRENOUD, Philippe; THURLER, Monica Gather. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed Editora, 2009.

PIVETTA, Hedioneia Maria Foletto. Concepções de formação e docência dos professores do curso de fisioterapia do Centro Universitário Franciscano. 2006. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 2006.

SANTUCCI, Fernanda; JOÃO, Silvia Maria. A metodologia dialética no ensino de métodos de avaliação clínica e funcional para a graduação em fisioterapia. In: Congresso Internacional de PBL. Anais do Congresso Internacional de PBL. 2014. p. 8-12.

SIMON, Eduardo. JEZINE, Edineide; VASCONCELOS, Eymard Mourão; RIBEIRO, Katia Suely Queiroz Silva. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem e educação popular: encontros e desencontros no contexto da formação dos profissionais de saúde. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 18, p. 1355-1364, 2014.

SUMIYA, Alberto; JEOLÁS, Leila Sollberger. Processos de mudança na formação do fisioterapeuta: as transições curriculares e seus desafios. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, v. 32, n. 1, p. 47-53, 2009.

TOMBINI, F.F.; ARAUJO, M.C.P. Refletindo as Diretrizes Curriculares na Formação do Fisioterapeuta. ANPED SUL,2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe