OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO RECURSOS DE CAPACITAÇÃO PARA AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE NA TEMÁTICA DAS ANOMALIAS CRANIOFACIAIS

Liliane Elise Souza Neves, Amanda Almeida Oliveira, Manoela Almeida Santos da Figueira, Bruno Hipólito da Silva, Jeane Maria Lacerda de Araújo Couto, Daniela Bezerra de Melo, Maria Cristina Silva de Alcântara, Rui Manoel Pereira

Resumo


As anomalias craniofaciais constituem um grupo diverso e complexo de defeitos congênitos. A despeito disto, essas anomalias impõem um significativo impacto sobre a qualidade de vida do indivíduo e de toda a sua família. Nesse contexto surge a estratégia de educação continuada como um meio de propiciar assistência os agentes comunitários de saúde que conhecem profundamente a realidade local. Objetivo: avaliar os objetos de aprendizagem de uma estratégia de educação continuada, segundo a visão de uma equipe de agentes comunitários de saúde em uma Unidade de Saúde daFamília. Resultados: 187 respostas obtidas antes da estratégia de educação continuada, apenas 37 (19,7%) das respostas obtidas refletiam o conhecimento prévio, arregrado do conhecimento quanto à temática exposta. Ao fim da estratégia, houve uma mudança no padrão das respostas. De 37 (19,7%) para 168 (89,8%) para as respostas assertivas que refletem um aumento no nível de conhecimento, e em comparação as respostas que refletem desconhecimento a queda foi de 150 (80,3%) para 19 (10,2%), sendo este aumento estatisticamente significante (Teste de McNemar: p < 0.001.). Conclusão:a estratégia de tele-educação foi uma ferramenta válida e aceita pelos ACS e que pode ser utilizada em programas de capacitação para as anomalias craniofaciais, uma vez que possibilitou a exposição e discussão do conteúdo de forma dinâmica, propiciando aos ACS o conhecimento necessário sobre as anomalias craniofaciais.

 

Key Words:Family Health, Community Health Workers, Inservice Training, Craniofacial Abnormalities.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ANJOS, F.S. et. al., Family care practitioners experience with individuals with orofacial clefts in Brazil. Cad. Saúde Coletiva, 2013, Rio de Janeiro, 21 (3): 237-44.

ARAÚJO, E.S., JACOB-CORTELETTI, L.C.B., ABRAMIDES, D.V.M.; ALVARENGA, K.F. Capacitação de agentes comunitários de saúde na área de saúde auditiva infantil: retenção da informação recebida. Rev. CEFAC. São Paulo, Mar-Abr; 17(2):445-453, 2015.

BARBOZA, C.M.N.; LIMA, M.L.L.T.; SOUSA, F.O.S.; NOVAES, M.A; GALDINO, D.R.; SILVA, E.C.H.; LEITÃO, G.G.S.; SILVA, T.P.S.. Telefonoaudiologia como estratégia de educação permanente na atenção primária à saúde no estado de Pernambuco. Revista CEFAC [en linea] 2017, 19 (Mayo-Junio): [Fecha de consulta: 15 de noviembre de 2017] Disponible en: ISSN 1516-1846.

BARONEZA, J. E. et al. Dados epidemiológicos de portadores de fissuras labiopalatinas de uma instituição especializada de Londrina, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Health Science, Maringá, v. 27, n. 1, p. 31-35, 2005.

BEERENWINKEL, A.; KEUSEN, A.L. A dinâmica familiar sob a ótica da Estratégia Saúde da Família. Saúde Debate. 2014;38(103):771-82.

BICALHO, A. D.; BEHLAU, M.; OLIVEIRA, G. Termos Descritivos Da Própria Voz: Comparação Entre Respostas Apresentadas Por Fonoaudiólogos E Não-Fonoaudiólogos. Rev. CEFAC, São Paulo, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, Série Pactos pela Saúde 2006; v. 4. 2007.

BRAGA, J. C. Objetos de aprendizagem, volume 2: metodologia de desenvolvimento. Santo André: UFABC, 2015. 163 p. Disponível em: Acesso em: 16 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção á Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, Série Pactos pela Saúde 2006; v. 4. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. O trabalho do Agente Comunitário de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009 a.

CERQUEIRA, M. N. et. al.. Ocorrência de fissuras labiopalatinas na cidade de São José dos Campos – SP. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 161166, 2005.

CORRÊA, C.C.; MARTINS, A.; PARDO-FANTON, C.S.; SILVA, A.S.C.; BARROS, G.T.T.; WEN, C.L. et. al.. Ações de tele-educação interativa em saúde vocal baseadas na dinâmica do projeto jovem doutor. Rev. Distúrb Comun. 2012; 24(3): 359-68.

COSTA, T.L. et. al.. Material multimídia para orientação dos cuidadores de bebês com fissura labiopalatina sobre velofaringe e palatoplastia primária. CoDAS 2016;28(1):10-6.

CUNHA, M. M.; CUNHA, S. N.; DOMINGUES, A. S. O. L. Contribuição Dos Textos, Imagens, Recursos Audiovisuais, Mapas Conceituais E Jogos Eletrônicos No Processo De Explicação De Conteúdos. Educacional Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação, v. 9, n. 1 (2016) .

DIAS, R.S.; MARQUES, A.F.H.; DINIZ, P.R.B., SILVA, T.A.B.; COFIEL, L.; MARIANI, M.M.C. et. al.. Telemental health in Brazil: past, present and integration into primary care. Arch Clin Psychiatry. 2015;42(2):41-4.

DINIZ, P.R.B., SALES, F.J.R., NOVAES, M.A. Providing Telehealth Services to a Public Primary Care Network: The Experience of RedeNUTES in Pernambuco, Brazil. Telemedicine and e-Health. 2016; 22(8): 694-98.

FALKEMBACH, G.A.M. Concepção E Desenvolvimento De Material Educativo Digital. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 3, n. 1 (2005).

FAVA, S.M.C.J. et. al.. Educação em saúde e adesão ao tratamento na perspectiva histórico cultural. Sau. & Transf. Soc., ISSN 2178-7085, Florianópolis, v.2, n.1, p.81-87, 2011.

FERREIRA, I.M.L et.al. Educação em saúde: ferramenta efetiva para melhora da adesão ao tratamento e dos resultados clínicos. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde São Paulo v.2 n.3 41-45 set./dez. 2011.

FONTES, F.S. Pais frente à malformação craniofacial do filho: uma contribuição da enfermagem para a equipe interdisciplinar. 2015. 76f. Trabalho de Conclusão de Curso (DISSERTAÇÃO) Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

GARCIA, R.M.; BAPTISTA, R. Educação a distância para a qualificação dos profissionais do SUS: perspectivas e desafios. Rev baiana de saúde pública. 2014; 31(supl.1):70-8.

GODOY, S.C.B.; GUIMARAES, E.M.P.; ASSIS, D.S.S. Avaliação da capacitação dos enfermeiros em unidades básicas de saúde por meio da telenfermagem. Esc. Anna Nery. 2014;18(1):148-55.

KALINKE, M. A. Uma experiência com uso de lousas digitais na formação de professores de matemática. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11., 2013, Curitiba. Anais. Curitiba: PUCPR, 2013. Disponível em: Acesso em: 26 maio 2016.

LOPES, N.C.; VIEIRA, G.A.S.S., PENA, S.R.B., LEMOS, S.M.A. Agentes comunitários de saúde: mapeamento de conhecimento antes e após oficinas de instrumentalização. Rev. CEFAC. 2015;17(3):683-94.

LOPES, E.; MONLLEÓ, I.L.. Risk factors and the prevention of oral clefts. Braz Oral Res., (São Paulo) 2014;28(Spec Iss 1):1-5.

MACÊDO, L. N. et. al. Desenvolvendo o pensamento proporcional com o uso de um objeto de aprendizagem. In: PRATA, C. L.; NASCIMENTO, A. C. A. (Org.). Objetos de aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Brasília: MEC, SEED, 2007. p. 17-26.

MACHADO, E. C.; SÁ FILHO, C. S. O computador como agente transformador da educação e o papel do objeto de aprendizagem. In: SEMINÁRIO NACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 2003, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte, 2003. Disponível em: Acesso em: 12 mar. 2011.

MARCH OF DIMES BIRTH DEFECTS FOUNDATION. Global Report on birth Defects. The hidden toll of dying and disabled children. New York: March of Dimes Birth Defects Foundation; 2006. 85p.

MELO, T.M.; ALVARENGA, K.F., BLASCA, W.Q.; TAGA, M.F.L. Opinião Dos Agentes Comunitários de Saúde Sobre o Uso Da Videoconferência na Capacitação Em Saúde Auditiva Infantil. Rev. CEFAC vol.13 no. 4 São Paulo July/Aug.2011.

MENDES, J. R. S.; MOÍ, G. S.; CARNEIRO, M. H. S. Imagens na Educação a Distância: percepção de um grupo de autores de materiais didáticos para Educação de Jovens e Adultos. Rev. Atas CIAIQ, Vol. 1, 2017.

NASCIMENTO, S.S.S. A importância da capacitação para o agente comunitário de saúde atuar na Estratégia Saúde da Família [trabalho de conclusão de curso]. Fortaleza: Centro De Ensino Superior Do Ceará, Faculdade Cearense, Curso de Serviço Social; 2013.

NEVES, L.E.S. Educational Strategy for Community Health Agents in the City of Recife: knowing Craniofacial Anomalies. Rev. Latin American Journal of Telehealth 2017; Belo Horizonte, 2017; 4 (3): 251 – 255.

NUNES, M.O; TRAD, LB; ALMEIDA, BA, HOMEM; CR; MELO, MCIC. O agente comunitário de saúde: construção da identidade desse personagem híbrido e polifônico. Rev. Cad Saúde Pública. 2002; 18:1639-46.

PARANAÍBA, L.M.R. et. al.. Frequency of congenital craniofacial malformations in a Brazilian Reference Center. Rev Bras Epidemiol 2011; 14(1): 151-60.

PENNA, G.C., MENDES, H.G., DIAS, M.A.S.; SOUZA, C., CARVALHO, L.W., SOUZA, D.C.N. Avaliação do emprego de videoconferências para a capacitação à distância dos médicos das equipes de saúde da família dentro do projeto nacional telessaúde. Rev. méd. Minas Gerais. 2015; 25(1): 108-14.

PERES, C.R.F.B., CALDAS JÚNIOR, A.L., SILVA, R.F., MARIN, M.J.S. The community health agent and working as a team: the easy and difficult aspects. Rev Esc Enferm USP; 45(4): 899-905, 2011. DOI: 10.1590/S0080-62342011000400016.

RAZERA, A,A,R. et. al.. Vídeo educativo: estratégia de treinamento para cuidadores de crianças com fissura labiopalatina. Acta Paul Enferm. 2016; 29(4):430-8.

RODRIGUES, K. et. al.. Adesão da mulher hipertensa ao estilo de vida saudável – uma tecnologia educativa em saúde. Rev. Atas - Investigação Qualitativa em Saúde. v. 2 (2017).

SILVEIRA, L. M. C.; RIBEIRO, V. M. B. Compliance with treatment groups: a teaching and learning arena for healthcare professionals and patients, Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.9, n.16, p.91-104, set.2004/fev.2005.

SOUSA, L. C. et. al.. Ambiente virtual de aprendizagem: contribuições da terapia ocupacional a pais e familiares na assistência de crianças com anomalias craniofaciais. Cad. Bras. Ter. Ocup., São Carlos, v. 25, n. 2, p. 255-266, 2017.

SOUZA, M.F. Os sinais vermelhos do PSF. São Paulo: Hucitec, 2002.

TAVARES, R. Aprendizagem significativa, codificação dual e objetos de aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 4-16, 2010. Disponível em: Acesso em: 13 jan. 2016.

TAROUCO, L. M. R. Objetos de Aprendizagem: teoria e prática/ Organizadores Liane Margarida Rockenbach Tarouco, Bárbara Gorziza Ávila, Edson Felix dos Santos e Marta Rosecler Bez, Valeria Costa. Porto Alegre : Evangraf, 2014. 504 páginas: il. CINTED/UFRGS, Porto Alegre, 2014.

VICENTIN, F.R.; PASSOS, M.M. Objeto De Aprendizagem Como Recurso Da Lousa Digital Na Exploração De Frações; Curitiba; v. 1, n. 2, p. 53-71, 2017.

WILEY, D. A. Connecting learning objects to instructional design theory: a definition, a metaphor, and a taxonomy. In: ______. The instructional use of learning objects. [S. l.: s. n.], 2000. Disponível em: Acesso em: 10 jan. 2016. ______. David Wiley. Disponível em: Acesso em: 20 maio 2016.

Word Health Organization. Global strategies to reduce the health- care burden of craniofacial anomalies. Geneva: Word Health Organization, 2010.

ZAMBONATO, T. C. F. Teleducação interativa: intercâmbio técnico-científico entre profissionais atuantes com fissura labiopalatina. 2012. 127 f. Tese (Doutorado em Fissuras Orofaciais) – Universidade de São Paulo, Bauru, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE - ISSN: 2526-9542