O RODÍZIO DE SABERES COMO ALTERNATIVA AOS SEMINÁRIOS: ANÁLISE DE SUA VIABILIDADE PELO DISCURSO DO SUJEITO COLETIVO DE ESTUDANTES

Roseday Nascimento, Diego Mota, Denise Rocha Correa Lannes

Resumo


As questões referentes à escolarização assumem importância maior à medida que seus papeis são mais discutidos na contemporaneidade. Na grande área da educação, discussões sobre didática, metodologias, inovação e formas de aprendizagem são muito frequentes. Contudo, apesar das diversas iniciativas, existe uma demanda para a criação de novos produtos educacionais e a necessidade de sua divulgação e experimentação. O presente estudo discorre sobre a proposta pedagógica Rodízio de Saberes (RdS), um produto educacional elaborado como uma alternativa aos seminários, buscando superar algumas limitações plausíveis em sua utilização. O RdS é um recurso fundamentado pela Zona de Desenvolvimento Proximal e pela Taxonomia de Bloom. O objetivo principal desta pesquisa é analisar a viabilidade pedagógica desta ferramenta em uma turma de ensino médio. A investigação gravita em torno dos depoimentos dos estudantes coletados após sua experiência com o RdS, com o aporte metodológico do Discurso do Sujeito Coletivo. Os resultados apontam o RdS como uma estratégia didática eficaz e produtiva para aperfeiçoar a apresentação de trabalhos na sala de aula. Sua interatividade, protagonismo e diminuição da tensão nas apresentações são destacados nos discursos dos alunos. Conforme foi verificado nas respostas dos estudantes, o compartilhamento entre os pares coloca em ação as teorias de aprendizagem que fundamentaram sua elaboração. Apresentamos, com base nos resultados, uma possibilidade de colaboração para a aprendizagem entre os estudantes como alternativa didática à tradicional estrutura dos seminários. 


Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, L; ALVES, L. (Orgs). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho docente em aula. 6. ed. Joinville: Univille, 2006.

ANTUNES, C. Novas maneiras de ensinar, novas formas de aprender. Artmed Editora, 2009.

BALZAN, N. C. Estudo do meio. In: CASTRO, A. D. et al. Didática para a escola de primeiro e segundo graus. 9. Ed. São Paulo: Pioneira, p. 111-128, 1987.

BERBEL, N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n. 1, p. 25-40, 2012.

BLOOM, B. S.; KRATHWOHL, D. R.; MASIA, B. B. Taxionomia de Objetivos Educacionais: 2. Domínio afetivo. Porto Alegre: Globo, 1974.

CONKLIN, J. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revision of Blooms’s taxonomy of educational objectives. Educational Horizons, v. 83, n. 3, p. 153-159,

DOLZ, J; SCHNEUWLY, Bernard. colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP, 2004

ESCUDERO, R. Assessoria comportamental no manejo do medo de falar em público. Dissertação de Mestrado, PUCAMP, Campinas, São Paulo.1999.

FINO, C. Vygotsky e a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP): três implicações pedagógicas. Revista Portuguesa de educação, v. 14, p. 273-291, 2001.

FONSECA, V. Psicomotricidade: filogênese, ontogênese e retrogênese. Artes Médicas, 1998

GIL, A. Metodologia do Ensino Superior. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

GOMES, C; PEREIRA, D. Aspectos neurais da aprendizagem e a influência do estresse. Revista Acadêmica Licencia&acturas, v. 2, n. 1, p. 16-23, 2016.

GREILINGER, S; DE OLIVEIRA, R. As influências do estresse ambiental no desenvolvimento da aprendizagem. Encontro: Revista de Psicologia, v. 14, n. 21, p. 63-75, 2015.

JUNIOR, J; PEREIRA, D; LOPES, J. Análise das habilidades cognitivas requeridas dos candidatos ao cargo de contador na Administração Pública Federal, utilizando-se indicadores fundamentados na visão da Taxionomia de Bloom. R. Cont. Fin., São Paulo, v. 19, n. 46, p.108-121, jan./abr. 2008.

KRATHWOHL, D. R. A revision of Bloom’s taxonomy: na overview. Theory in Practice, v. 41, n. 4, p. 212-218, 2002.

LEFEVRE, F; et. al.. Discourse of the collective subject, complexity and self-organization. Ciencia & saude coletiva, v. 14, n. 4, p. 1193-1204, 2009.

LEFEVRE, F; LEFEVRE, A. O sujeito coletivo que fala o que fala. Interface-Comunic, Saúde, Educ, v. 10, n. 20, 2006; p. 517-524.

______; Discurso do Sujeito Coletivo, complexidade e auto-organização. Ciências e Saúde Coletiva. 2009; 14(4): p. 1193-120.

______.; Discurso do sujeito coletivo: representações sociais e intervenções comunicativas. Texto & Contexto Enfermagem, v. 23, n. 2, 2014 p. 502-507.

______; Discurso do sujeito coletivo: representações sociais e intervenções comunicativas. Texto & Contexto Enfermagem, v. 23, n. 2, 2014 p. 502-507.

MARTINS, J. Vygotsky, e o papel das interações sociais na sala de aula: reconhecer e desvendar o mundo.Série Idéias, v. 28, p. 111-122, 1997.

MARTÍNEZ, I. M. M., PINTO, A. M., & SILVA, A.L. (2000). Burnout em estudantes do ensi-

no superior. Revista Portuguesa de Psicologia, 35, 2000. 151-167.

MINAYO, A;. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. ed. Petrópolis: Vozes, 2007; 80 p.

MORÁN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, v. 2, p. 15-33, 2015.

PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Artmed editora, 2015.

PIAGET, J. The development of thought: Equilibration of cognitive structures.(Trans A. Rosin). Viking, 1977.

POZO, J. A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento. Pátio: Revista Pedagógica, v. 31, p. 8-11, 2004.

RAMOS, J. O espaço da oralidade na sala de aula. São Paulo. Martins Fontes, 1999.

SCHNEUWLY, B. e DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

RAMOS, J. O espaço da oralidade na sala de aula. Editora: Martins Fontes. 2002. 97p.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 51, 2012.

VEIGA, I. (Org). Técnicas de ensino: novos tempos, novas configurações. Campinas: Papirus, 2006.

VELLOSO, A; Representações Sociais e a construção da Identidade Profissional de Professor, 2009. Tese de Doutorado. PGED-Instituto de Bioquímica Médica, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

VYGOTSKY, L. S. (1984) A Formação Social da Mente São Paulo: Martins Fontes.

______; (1987) Pensamento e Linguagem. São Paulo, Martins Fontes.

______; Mind in society. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1978.

WALLON, Henri. L'évolution psychologique de l'enfant. Armand Colin, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe