MATERIAIS DIDÁTICOS ELABORADOS COMO OBJETOS DE APRENDIZAGEM: PRODUTOS EDUCACIONAIS PARA ESTUDANTES SURDOS NO ENSINO REGULAR

Teresinha Fátima de Almeida, Bruna Braga Volpe, Antonio Carlos Frasson

Resumo


Este estudo propõe uma análise dos objetos de aprendizagem (OAs) para a educação de surdos inclusos no ensino regular. No entanto, além de um objeto ele deve intervir na aprendizagem do aluno para proporcionar facilidade no processo de construção no seu ambiente escolar e assim resultar em uma fonte positiva em seu desenvolvimento. Para que isso ocorra, os OAs devem ser bem planejados pedagogicamente e elaborados para atingir o objetivo que o aluno surdo precisa, ou seja, construa o seu conhecimento e o professor torne-se mediador nesse cenário de aprendizagem, utilizando recursos onde a língua de sinais se faça presente. Nesta direção, este artigo apresenta uma análise dos produtos educacionais para surdos encontrados em dissertações de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia (PPGECT) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), câmpus Ponta Grossa, no período de 2010 a 2018. Nesse recorte temporal, encontrou-se 5 produtos educacionais apropriados para surdez. Com base nas informações obtidas essa pesquisa visa à necessidade em se trabalhar de forma diferenciada, proporcionando ao aluno surdo oportunidades adequadas de aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, D. Materiais Didáticos. Curitiba, PR: IESDE, 2009. 456p.

BOTELHO, P. Segredos e silêncios na interpretação dos surdos. Belo Horizonte: Autêntica, 1998. BRASIL. Decreto Lei n. 339, de 22 de dezembro de 2005. Brasília, DF.

BRASIL. Declaração de Salamanca e Linhas de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília-DF: CORDE, 1994.

BRASIL. Lei n. 10436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. 24 de abr. 2002.

CENCI, A.; COSTAS, F.A.T. Mediação e conceitos cotidianos: ao aportes de Feuerstein e Vygotsky para investigar as dificuldades de aprendizagem. Revista em Psicologia. Belo Horizonte v.19, n.2, p.250-270, ago. 2013.

Decreto n. 5.626/05 que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS. Disponível em: www.libras.org.br/leilibras. Acesso em: 17 de Set. de 2018.

FORCADELL, M.S.P. A inserção do sistema SignWriting na formação dos profissionais de Libras. UTFPR. Ponta Grossa, Pr. 2016.

FRASSON, A. C.; PIETROCHINSKI, A. R.; SCHULMEISTER, C. Auditory deficient people: his educative and social inclusion by Norbert Elias. In: SIMPOSIO. INTERNACIONAL PROCESO CIVILIZADOR, 11., 2008, Buenos Aires. Anais. Buenos Aires: Universidad de Buenos Aires, 2008. p. 182-191.

GALVÃO, D. L. O ensino de geometria plana para uma aluna com surdocegueira no contexto escolar inclusivo. UTFPR. Ponta Grossa, Pr.2017.

GLAT, R. Educação Inclusiva: Cultura e Cotidiano Escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

KOOHANG, A; HARMAN, K. Learning Objects: theory, práxis issues and trends. Santa Rosa, CA: Informing Sciense Press, 2007.

KUHN, T.C.G. Processo de criação de termos técnicos em libras para engenharia de produção. UTFPR Ponta Grossa, Pr. 2014.

LACERDA, C.B.F. O Processo dialógico entre aluno surdo e educador ouvinte: examinando a construção de conhecimentos. Tese de Doutorado, Programa de Pós Graduação em Educação Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 2006.

MIRANDA, M.A.M. A Inclusão de alunos surdos em classe comum do Ensino Regular. Universidade Federal de Santa Mari (UFSM), 2010.

MOREIRA, S. Ensino de matemática para surdos: uma abordagem bilíngue. UTFPR. Ponta Grossa, Pr. 2018.

Revista Renote Novas Tecnologia na Educação, v. 1, Nº 1, Fevereiro, 2003. Disponível em: . Acesso em: 08 de set. de 2018.

SILVA, R.C. A LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais - e a formação de professores de matemática. UTFPR. Ponta Grossa, Pr.2014.

SOARES, M. E. Educação Matemática e educação de surdos: tecendo memórias na perspectiva da educação inclusiva. 2017. 198f Dissertação Mestrado em Docência e Educação em Ciências e Matemática – Instituto de Educação Matemática e Cientifica, Universidade Federal do Pará. Belém.

STUMPF, M. R. Aprendizagem de Escrita de Língua de Sinais pelo Sistema SignWriting: Linguas de sinais no papel e no computador. 2005. 330 f. Tese (Doutorado) – Curso de Informática na Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2005.

AROUCO, L.M.R.; COSTA, V.M.; AVILA, B.G.; BEZ, M.R.; SANTOS, E.F. Objeto de Aprendizagem: teoria e prática. Porto Alegre, 2014.

FABRE, M-C. JM; TAMUSIUNAS, F.; TAROUCO, L. M. R. Reusabilidade de objetos educacionais. RENOTE, v. 1, n. 1, 2003.

TURRA, N. C.; Reuven Feuerstein: Experiência de aprendizagem mediada: um salto para a modificabilidade cognitiva estrutural. Educere et Educare, v. 2, n. 4, p. 297-310, 2007.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000. 521p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico  
 

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE - ISSN: 2526-9542