UTILIZAÇÃO DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO SOBRE AGENTES ANTIMICROBIANOS E RESISTÊNCIA BACTERIANA

Mayara Nadja de Aguiar Morais, Thais Soares da Silva, Isabella Macário Ferro Cavalcanti

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo analisar como a aplicação de uma sequência didática (SD) sobre agentes antimicrobianos e resistência bacteriana colabora para o processo de ensino aprendizagem de alunos do Ensino Médio. A SD foi realizada em uma escola estadual de Gravatá, Agreste de Pernambuco. Essa SD foi desenvolvida em 5 momentos, totalizando 6 aulas. Inicialmente, foi realizada uma aula expositiva dialogada empregando a técnica tempestades de perguntas, seguiu-se com realização de pesquisa, desenvolvimento de experimentações, debates de resultados obtidos e construção de modelos didáticos. Antes e após a aplicação da SD foram aplicados os questionários diagnóstico e avaliativo, respectivamente.  A metodologia de Análise de Conteúdo através da categorização foi utilizada para tratamento dos resultados obtidos durante a SD. Foi possível observar que no decorrer da aplicação da SD os alunos puderam desenvolver algumas habilidades, as quais foram verificadas através da participação ativa nos diálogos, das respostas aos questionamentos, na interpretação dos conceitos presentes nas charges, na integração nos grupos formados e na partilha das pesquisas e das experimentações propostas. Os resultados obtidos a partir das respostas do questionário diagnóstico apresentou uma média de acertos próxima à 56%, já no questionário avaliativo houve 93,75% e 85,6% de acertos de conteúdos conceituais construídos e atitudinais, respectivamente. Baseado nesses dados, fica evidente que após aplicação da SD, o conhecimento dos alunos foi contextualizado, o que possibilitou o desenvolvimento e construção de novas habilidades. Assim, esses alunos tornaram-se mais conscientes sobre as atitudes a serem tomadas para o uso racional de antimicrobianos.


Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P.e. Estratégias de Ensinagem. In: ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. (Orgs.). Processos de ensinagem na universidade. Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. ed. Joinville: Univille, 2004.

ARAÚJO, D. H. de S. A Importância da Experimentação do Ensino de Biologia. 2011. In: 15 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) -Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 6 ed. São Paulo: Almedina, 2011.

BELLUCCO, A.; CARVALHO, A. M. P. Uma proposta de sequência de ensino investigativa sobre quantidade de movimento, sua conservação e as leis de Newton. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v.31, n.1, p.30-59, 2014.

BOGDAN, R; BIKLEN, S.K. Qualitative researsh for education. Boston: Allyn and Bacon, Inc., 1982.

BRAOIOS, A.; PEREIRA, A. C. S.; BIZERRA, A. A.; POLICARPO, O. F.; SOARES, N. C.; BARBOSA, A. D. S. Uso de antimicrobianos pela população da cidade de Jataí (GO), Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, n. 10, p. 3055-3060, 2013.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais para o ensino médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, 2006.

CALDAS, L. H. M. Ensino por investigação: uma proposta metodológica para atividades formativas de professores de química em uma escola de Caruaru-PE. 2018. 126 f. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas – PPGECM da Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico do Agreste, Caruaru-PE, 2018.

CÂMARA, R, H. Análise de conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Revista Interinstitucional de Psicologia, v. 6, n.2, p. 179-191, 2013.

CARVALHO, A. M. P. Ciências no ensino fundamental: o conhecimento físico. São Paulo: Scipione, 1998.

CARVALHO, A. M. P.(org.); OLIVEIRA, C. M. A.; SCARPA, D. L.; SASSERON, L. H.; SEDANO, L.; SILVA, M. B.; CAPECCHI, M. C. V. M.; ABIB, M. L. V. S.; BRICCIA, V. Ensino de Ciências por investigação condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cegange Learning, p.152, 2013.

CARVALHO, M. E. A. Conceitos ecológicos utilizados por alunos do ensino médio na compreensão das questões ambientais. 2018. 45 f. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, 2018.

CAVALCANTE, D. D.; SILVA, A. F. A. Modelos didáticos de professores: concepções de ensino-aprendizagem e experimentações. In: XIV Encontro Nacional de Ensino de Química, Curitiba, UFPR, 2008.

CASCAIS, M. G. A.; TERÁN, A, F. Sequências didáticas nas aulas de ciências do Ensino Fundamental: possibilidade para a alfabetização científica. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 9., 2013, Águas de Lindóia, SP, atas [...] Águas de Lindóia, SP: Abrapec, 2013.

CHAIKLIN, S.; PASQUALINI, J. C. A zona de desenvolvimento próximo na análise de Vigotski sobre aprendizagem e ensino. Psicologia em Estudo, v. 16, n. 4, p. 659–675, 2011.

CHAMBERS H.F. Antimicrobianos: considerações gerais. In: Hardman JG, Limbird LE. As bases farmacológicas da terapêutica Goodman e Gilman. 10ª ed. Rio de Janeiro: McGrawHill do Brasil, p. 859-876, 2005.

CLEOPHAS, M.G.; FRANCISCO, W. Metacognição e o ensino e aprendizagem das ciências: uma revisão sistemática da literatura (RSL). Amazônia Revista de Educação em Ciências e Matemática, v. 14, p. 10-26, 2018.

DIAZ, S. J. C. Proposta de intervenção para reduzir o uso de antibióticos sem prescrição médica na ESF Bom Sucesso, Arapiraca-al. 2015. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família, Universidade Federal de Minas Gerais, Maceió, Alagoas, 2015.

DOLZ, J. Sequências Didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In:(Ed.). Gêneros orais e escritos na escola. Coleção as faces da linguística aplicada. Campinas, SP: Mercado das Letras, p. 95-128, 2004.

DRAUZIO, V. O problema da resistência bacteriana/Coluna #109. 2019 (4m00s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=t3jvppGKzdk. Acesso em: 14 set. 2019.

DURÉ, R.C.; ANDRADE, M.J.D; ABÍLIO, F.J.P. Ensino de biologia e contextualização do conteúdo: quais temas o aluno de ensino médio relaciona com o seu cotidiano?. In: Experiências em Ensino de Ciências v.13, n.1, p. 259-272, 2018

FAGUNDES, L. D. C.; ROSA, M. B. D. Conteúdos, Conceituais, Procedimentais e Atitudinais em tempos de web currículo. Revista e-Curriculum, São Paulo, n.12, v. 2, 2014.

FIOCRUZ no Ar: os riscos do consumo de antibióticos sem receita médica [Audio podcast]. Coordenadora: Graça Portela; Reportagem, Produção e Locução: Maya Sangawa; Consultora técnica: Ana Paula Assef. Rio de Janeiro: NO3 Produções Artísticas, 2019. 1 MP3 (2min45s).

FONTANA, R.; CRUZ, M. N. Psicologia e Trabalho Pedagógico. 1. ed. Editora Atual. São Paulo, 1997.

FRANCO, M. A. S. Pedagogia da Pesquisa-ação. In: Educação e Pesquisa. 1 ed. v. 31, n. 3, p. 483–502, 2005.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. 2. ed. Brasília: Líber Livro, 2005.

FREIRE, P. Educação e mudança. São Paulo: Cortez, 1994.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Editora Paz e Terra. 24ª ed. 1970.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n.2, p. 57-63, 1995.

GOMES, P. R. M.; COELHO, A. B.; KZAM, P. M. Automedicação no Brasil e as contribuições do farmacêutico: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. Esp, n. 12, p. S1225–S1232, 2018.

HENRIQUES, L. C. L. Proposta para redução do uso irracional de medicamentos em idosos: efeitos da poli farmácia. 2016. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Especialização Estratégia Saúde da Família, Universidade Federal de Minas Gerais, 2016.

LEMES, M. M. Interferências no tempo-espaço da aula: percepções dos professores sobre a política educacional de São Paulo. 2017. 203f. Dissertação de Mestrado em Geografia Humana da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017.

LIBÂNEO, J. C. Didática. Editora Cortez. 1. ed. São Paulo, 1994.

LIMA, D. F. A importância da sequência didática como metodologia no ensino da disciplina de física moderna no ensino médio. Revista Triangulo, v.11, n.1, p.151-162, 2018.

LOPES, S. Mecanismos de resistência antimicrobiana. 2015 (2m35s). Disponível em: (https://www.youtube.com/watch?v=nHOk62yygoA. Acesso em: 14 set. 2019.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e criando a prática. 2 ed. Editora Malabares Comunicações e eventos, Salvador, 2005.

MARTINS, H. H. T. S. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educação e Pesquisa, v.30, n.2, p. 287-298, 2004.

MORAN, J. M. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. In: Como utilizar as tecnologias nas escolas. Campinas-SP, Editora: Papirus, p. 101-111 2009.

MOREIRA, A. A.; MANSINI. E.F.S. Aprendizagem Significativa: a teoria de David Ausubel. Editora Centauro. 2 ed. Rio de Janeiro, 2001.

OLIVEIRA, H.J.P.; ARAÚJO, M.A.D.; FEITOZA, N.T.M.; CHAGAS, P.D.G.; SOUZA, W.D.V.; SILVA, F.P. Educação em saúde como forma preventiva do uso indiscriminado de antibióticos. Revista Saúde, v. 11, n. 1, 2017.

OLIVEIRA, T. G. C.; MARQUES, R. C. P.; Utilização de modelos didáticos no ensino de biologia e o processo de inclusão na cidade de Apodi-RN. Anais do III Congresso Nacional de Educação – CONEDU, Natal – RN, p. 1-12, 2016.

ORLANDO, T. C.; LIMA, A. R.; DA SILVA; A. M.; FUZISSAKI C. N.; RAMOS, C. L.; MACHADO, D.; BARBOSA, V. C. Planejamento, Montagem E Aplicação De Modelos Didáticos Para Abordagem De Biologia Celular E Molecular No Ensino Médio Por Graduandos De Ciências Biológicas. Revista de Ensino de Bioquímica, v. 7, n. 1, p. 1, 2009.

PIZZI, J. A prática investigativa como instrumento metodológico utilizado pelos professores no ensino de ciências. Secretaria de Estado de Educação – SEED. Paraná, 2014.

ROCHA, A. L. R. Uso racional de medicamentos.2014. 150f. Monografia apresentada ao curso de pós-graduação em tecnologias industriais farmacêuticas, Rio de Janeiro, 2014.

RONCHI, J. P.; IGLESIAS, A.; AVELLAR, L. Z. Interface entre educação e saúde: revisão sobre o psicólogo na escola. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo. v. 22, n. 3, p. 613-620, 2018.

SÁ, E. F.; LIMA, M. E. C. C.; AGUIAR JUNIOR, O. A construção de sentidos para o termo Ensino por Investigação no contexto de um curso de formação. Investigações em Ensino de Ciências. v. 16, n. 1, p. 79-102, 2011.

SABINI, C. M. A. Construindo Valores Humanos na Escola. 2ª ed. São Paulo: Papirus, 2002.

SAMPAIO, P.S.; SANCHO, L.G.; LAGO, R.F. Implementação da nova regulamentação para prescrição e dispensação de antimicrobianos: possibilidades e desafios. Cadernos Saúde Coletiva, v.26, p. 15-22, 2018.

SANTOS JUNIOR, J. B.; SILVA, F. K. M. Análise dos modelos didáticos pessoais apresentados por um grupo de licenciandos em Química. Ciência & Educação, v. 23, n. 2, p. 493-506, 2017.

SANTOS, R. A. O desenvolvimento de Sequências de Ensino Investigativas como forma de promover a Alfabetização Científica dos alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. 157 f. Trabalho apresentado ao curso de Pós-Graduação em Formação de Professores da Educação Básica. (Mestrado em Educação Básica) da Universidade Estadual de Santa Cruz, Bahia, 2016.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. 36. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

SILVA, E. L. Contextualização no Ensino de Química: idéias e proposições de um grupo de professores. 147 f. Dissertação de mestrado apresentada ao Instituto de Física, ao Instituto de Química, ao Instituto de Biociências e a Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2007.

SILVA, G. R.; MACHADO, A. H.; SILVEIRA, K. P. Modelos para o Átomo: Atividades com a Utilização de Recursos Multimídia. Química nova na escola, v. 37, n. 2, p. 106-111, 2015.

SILVA, L. L.; TERRAZZAN, E. A. As analogias no ensino de conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais em aulas de Física no ensino médio. Experiências em Ensino de Ciências, v. 6, n. 1, p. 133–154, 2011.

TEIXEIRA, C. R.; SANTOS, R. B.; CORDEIRO, R. V.; SOUZA, M. A. V. F. Educação científica: conceitos e pressupostos de uma aprendizagem investigativa, crítica e socialmente responsável. In: Teorias da Aprendizagem: Tendências e potencialidades. Editora: IFES (Instituto Federal do Espírito Santo). p. 55-91, 2015.

TEIXEIRA, Q. D.; RIBEIRO, A. B.; SANTOS, M. C.; COSTA, F. J. O lúdico no ambiente escolar: utilização de jogo para promoção e manutenção da alimentação saudável em uma escola particular da região metropolitana de Belo Horizonte. Revista Tecer, Belo Horizonte, v. 9, n. 16, p. 44-56, 2016.

TOVAR-GÁLVEZ, J. C. Metacognición y Didáctica de las Ciencias: Integración de procesos de enseñanza, procesos de aprendizaje, procesos metateóricos y competencias. Editorial Académica Espanhola (EAE), Broché, 2015.

TRIVELATO, S. L. F.; TONIDANDEL, S. M. R. Ensino Por Investigação: Eixos Organizadores Para Sequências De Ensino De Biologia. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 17, p. 97–114, 2015.

VIECHNESKI, J. P. Sequência didática para o ensino de ciências nos anos iniciais: subsídios teórico-práticos para a iniciação à alfabetização científica. 2013. 170 f. Dissertação (Mestrado em ensino de Ciência e Tecnologia) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2013.

XAVIER, R. C. M.; COSTA, R. O. Relações mútuas entre informação e conhecimento: o mesmo conceito? Ciência da Informação, Brasília, v. 39 n. 2, p.75-83, 2010.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico    Latindex Sumarios

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE - ISSN: 2526-9542