TAXONOMIA DE VÍDEOS: AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES DOS VÍDEOS EM DUAS PRÁTICAS DE ENSINO DA MATEMÁTICA

Fabio Antunes Brun de Campos, Minéia Cappellari Fagundes, Diego Piasson

Resumo


Vídeos vêm sendo utilizados por alunos como recurso de aprendizagem, indicando que esta tecnologia deve ser incorporada nas práticas educacionais. Compreender as funções que os vídeos podem exercer nos processos de ensino e aprendizagem é fundamental para que professores considerem o uso desse recurso. Ferrés (1996) propôs uma taxonomia para vídeos com base em diferentes funções. Neste trabalho de pesquisa, a partir de duas práticas de ensino de Matemática com vídeos, uma no ensino médio e outra no ensino superior, são avaliadas duas destas funções dos vídeos: a função investigativa e de interação de funções, no intuito de identificar o papel desse recurso no contexto do ensino da Matemática. O trabalho seguiu uma abordagem qualitativa no viés da pesquisa participante. A investigação mostrou que os vídeos de fato podem exercer diferentes funções dentro de processos de ensino e aprendizagem. Nas práticas investigadas foram identificadas as funções investigativa, motivadora, lúdica, metalinguística, expressiva, avaliadora e, portanto, de interação de funções.


Texto completo:

PDF

Referências


BORBA, M. C.; NEVES, L. X.; DOMINGUES, N. S. A Atuação Docente na Quarta Fase das Tecnologias Digitais: produção de vídeos como ação colaborativa nas aulas de matemática. Em Teia. Pernambuco, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/emteia/article/view/237635. Acesso em jun. de 2020.

BORBA, M. C.; SILVA, R. S. R.; GADANIDIS, G. Fases das Tecnologias Digitais em Educação Matemática. Autêntica: Belo Horizonte, 2016.

BRUM, L. de M. et. al. A produção de performance matemática digital a partir da obra “O Diabo dos Números”. REnCiMa. São Paulo, v. 10, n.6, p. 01-20, 2019. Disponível em: https://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/view/2037 Acesso em jun. de 2020.

CAETANO, S. V. N.; FALKEMBACH, G. A. M. YouTube: uma opção para o uso do vídeo na EAD. RENOT. Rio Grande do Sul, 2007. Disponível em: http://www.cinted.ufrgs.br/ciclo9/artigos/3aSaulo.pdf Acesso em jun. de 2020.

CAMPOS, M. L. A.; GOMES, H. E. Taxonomia e Classificação: a categorização como princípio. VIII ENANCIB – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, Salvador, 2007. Disponível em: http://www.enancib.ppgci.ufba.br/artigos/GT2--101.pdf Acesso em jun. de 2020.

CARNEIRO, S. O., MACIEL, C. Um Método para a Recuperação da Informação na Web Semântica Utilizando a Triplificação de Dados. Revista Interdisciplinar Animus. Pontes e Lacerda, v.1, n.1, p. 52-69, 2015. Disponível em: http://animus.plc.ifmt.edu.br/index.php/v1/issue/view/animus.plc.ifmt.edu/1%C2%AA%20Edi%C3%A7%C3%A3o%20Animus%20-%20Completa Acesso em jun. de 2020.

CRESSWELL, J. W. Projeto de Pesquisa – métodos qualitativo, quantitativo e misto. Artmed: Porto Alegre, 2007.

DOMINGUES, N. S. O Papel do Vídeo nas Aulas Multimodais de Matemática Aplicada: Uma Análise do Ponto de Vista dos Alunos. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de São Paulo. Rio Claro, 2014. Disponível em: https://www.rc.unesp.br/gpimem/downloads/dissertacoes/domingues_ns_me_rcla.pdf Acesso em jun. de 2020.

FELCHER, C. D. O.; FERREIRA, A. L. A.; FOLMER, V. Da pesquisa-ação à pesquisa participante: discussões a partir de uma investigação desenvolvida no Facebook. Experiências em Ensino de Ciências, v. 12, n. 7, p. 01-18, 2017. Disponível em: https://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID419/v12_n7_a2017.pdf Acesso em jun. de 2020.

FERRÉS, J. Vídeos e Educação. Artes Médicas. Porto Alegre, 1996.

FREITAS, D. S. A Construção de Vídeos com YouTube: Contribuições para o Ensino e Aprendizagem de Matemática. Dissertação de Mestrado. ULBRA, Canoas, 2012. Disponível em: http://www.ppgecim.ulbra.br/teses/index.php/ppgecim/article/view/158 Acesso em jun. de 2020.

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da Educação. Campinas: Papirus, 2012.

SANTOS, P. R.; KLOSS, S. A criança e a mídia: a importância do uso de vídeos em escolas de Joaçaba. INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Novo Hamburgo, 2010.

SILVA, A. M. O Vídeo como Recurso Didático no Ensino da Matemática. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Goiânia, Goiânia, 2011. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/dezembro2012/matematica_artigos/dissertacao_ana_maria_silva.pdf Acesso em jun. de 2020.

SILVA, A. S. S. Computadores na Educação: possibilidades para a sala de aula. In: CARDOSO JÚNIOR, Hamilton Matos; COSTA, T. (org.). Ciência na Fronteira – ensino, pesquisa e extensão no IFMT campus Pontes e Lacerda. Kleps: Goiânia, 2019.

SOARES, L. de V.; COLARES, M. L. I. S. Educação e Tecnologias em Tempo de Pandemia no Brasil. Debates em Educação, Maceió, v. 12, n. 28, p. 1-23, 2020. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/10157 Acesso em jun. de 2020.

SOARES, L. Q.; FERREIRA, M. C. Pesquisa participante como ação metodológica para a investigação de práticas de assédio moral no trabalho. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 6, n. 2, p. 85-109, 2006. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/1117/7139 Acesso em jun. de 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico    Latindex Sumarios

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE
ISSN: 2526-9542