ETNOBOTÂNICA: UMA ABORDAGEM CONTEXTUALIZADA, E ATIVA PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

Liliana Berté Fontana, Eduardo Moraes Pretto, Gustavo Chaves Barboza, Bernardo Fialho Basso, Jessica Maria Amaral de Souza, Andréa Inês Goldschmidt

Resumo


O artigo traz o relato de experiência, como parte da vivência dos alunos da disciplina de Didática, no curso de Biologia, na UFSM, Campus Palmeira das Missões. A pesquisa realizada com vinte e nove estudantes dos sétimos anos do Ensino Fundamental, de uma escola pública do interior do Estado do Rio Grande do Sul, objetivou elaborar, desenvolver e avaliar uma estratégia didática para a construção e apreensão de conceitosrelacionados às plantas medicinais. A estratégia de ensino buscou contemplar metodologias ativas, organizadas em diferentes etapas: 1. Investigativa, pelo uso de desenhos e discussões; 2. Conceitual e Sensorial, pelo uso dos sentidos da visão, tato e olfato associados ao manuseio de plantas medicinais; 3. Sistematização morfológica das folhas; 4. Desafio sensorial para identificação das ervas; 5. Narrativa lúdica de uma viagem exploratória pelo mundo das plantas medicinais; e, 6. Identificação dos locais de ação medicinal no organismo humano. Como validação da estratégia, foi aplicado um questionário, contendo 13 questões fechadas, analisadas a partir das frequências encontradas e discutidas qualitativamente. Os resultados foram organizados em quatro categorias de análise e mostraram que a estratégia contribuiu para a aprendizagem, se mostrando eficiente e atrativa como uma proposta complementar ao conteúdo apresentado. Além disso, os alunos mostraram maior interesse nas etapas que envolveram maiores desafios.


Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, A. S. A influência do uso de jogos e modelos didáticos no ensino de biologia para alunos de ensino médio. Monografia, Universidade Aberta do Brasil – UAB/UECE, Beberibe, Ceará, 2013.

ARAÚJO, E. C. Use of medicinal plants by patients with cancer of public hospitals in João Pessoa (PB). Revista Espaço para a Saúde, v. 8, n. 2, p. 44-52, 2007.

ARENAS, A.; CAIRO, C. Etnobotánica, modernidad y pedagogía crítica del lugar. Utopía y Praxis Latinoamericana, Punto Fijo, v. 14, n. 44, p. 69-83, 2009. Disponível em: . Acesso em: 08 out. 2020.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BOURSCHEID, M. L. L. Plantas medicinais: um legado da escola para a família. 2011. 16f. Monografia (Especialização em Educação do Campo) – Curso de Especialização em Educação do Campo, Universidade Federal do Paraná, Matinhos, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2020.

BRUNING, M. C. R.; MOSEGUI, G. B. G.; VIANNA, C. M. M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 10, p.2675-2685, out. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2020.

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. A Produção de Jogos Didáticos para o Ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos núcleos de Ensino, v. 47, p. 47-60, 2003. São Paulo: UNESP, 2003.

CASTOLDI, R.; POLINARSKI, C. A. A utilização de Recursos didáticopedagógicos na motivação da aprendizagem. Anais...In: Simpósio Nacional De Ensino De Ciência E Tecnologia, 1, Ponta Grossa, 2009. Anais do I SINECT. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2020.

COSTA R. G. A. Os saberes populares da etnociência no ensino das ciências naturais: uma proposta didática para aprendizagem significativa. Didática Sistêmica, v. 8, jul./dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2020.

CUNHA, A. P. Aspectos históricos sobre plantas medicinais, seus constituintes activos e fitoterapia. In: CUNHA, A. P.; ROQUE, O. R.; SILVA, A. P. Plantas e produtos vegetais em fitoterapia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2020.

DALTRO, Mônica Ramos; FARIA, Anna Amélia de. Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 19, n. 1, p. 223-237, 2019.

DIAS, T. A. B. Plantas medicinais no Brasil. Boletim G 15 Gene Banks para Plantas Medicinais Aromáticas. Distrito Federal – Brasília, 1995.

FOGLIO, M. A. et al. Plantas Medicinais como Fonte de Recursos Terapêuticos: Um Modelo Multidisciplinar. Multi Ciência: Out/2006.

FONSECA, S. A. R. S. et al. Biologia no ensino médio: os saberes e o fazer pedagógico com uso de recursos tecnológicos. Biota Amazônica, v. 4, n. 1, p. 119-125, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v4n1p119-125.

FONTES, A.; CARDOSO, A. Formação de Professores de acordo com a abordagem Ciência/Tecnologia/Sociedade. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 5, n. 1, p. 15-30, 2006. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2020.

GARLET, T. M. B. Plantas medicinais nativas de uso popular no Rio Grande do Sul [recurso eletrônico] / [Tanea Maria Bisognin Garlet]. – Santa Maria, RS: UFSM, PRE, 2019. 1 e-book: il. – (Série Extensão). Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2020.

HAMILTON, A. C. et al. The purposes and teaching of applied ethnobotany. Godalming: WWF, 2003. (People and plants working paper, 11). Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2020.

KOVALSKI, M. L.; OBRARA, A. T.; FIGUEIREDO, M. C. Diálogo dos saberes: o conhecimento científico e popular das plantas medicinais na escola. Anais... In: VIII ENPEC/ ABRAPEC, 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2020.

KOVALSKI, M. L.; OBARA, A. T. O estudo da etnobotânica das plantas medicinais na escola. Ciência & Educação (Bauru). Bauru, vol.19, no.4, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000400009.

LAMEIRA, O. A.; PINTO, J. E. B. P. Plantas medicinais: do cultivo, manipulação e uso à recomendação popular. Embrapa Amazônia Oriental. Belém, PA: 2008.

LANGER, J. As Amazonas: História e Cultura Material no Brasil Oitocentista. Revista de humanidades. V. 05. N. 10, abr./jun. de 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2020.

LEITE, I. A. et al. Plantas medicinais: conhecimento e utilização entre adolescentes da rede pública de ensino de Patos-PB. Anais... In: Congresso Nordestino de Biólogos, 4, 2014. João Pessoa: Rede Brasileira de Informações Biológicas – Rebibio, 2014. p.45-47.

LOGUERCIO, R. Q.; DEL PINO, J. C.; SOUZA, D. O. Uma análise crítica do discurso em um texto didático. Anais... In: Encontro Nacional De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 2, Valinhos. Atas ... São Paulo: ABRAPEC, 1999.

MACEDO, L. de; PETTY, A. L. S.; PASSOS, N. C. O lúdico nos processos de desenvolvimento e aprendizagem escolar. In: Os jogos e lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005, p. 09 – 22.

MACIEL, M. A. M. et al. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química Nova, São Paulo, v.25, n.3, p.429- 438, May. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-40422002000300016.

MALAFAIA, G.; RODRIGUES, A. S. L. O uso da teoria das inteligências múltiplas no ensino de biologia para alunos de ensino médio. SaBios: Revista de Saúde e Biologia, v.6, n.3, p.08-17, set/dez., 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2020.

MESSIAS, M. C. T. B. et al. Uso popular de plantas medicinais e perfil socioeconômico dos usuários: um estudo em área urbana em Ouro Preto, MG, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v.17, n.1, p.76-104, Jan./Mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2020.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (8a ed.). São Paulo: Hucitec. 2004.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. (Org.). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens, v. 2. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. (Coleção Mídias Contemporâneas). Disponível em: . Acesso em: 2 mai. 2017.

OLIVEIRA, A. X.; COELHO, M. F. B. Uso de Plantas Medicinais. Brasília: LK Editora, 2007. 104 p.

PANIZZA, S. Ensinando a cuidar da saúde com as plantas medicinais: Guia prático de remédios simples da natureza. São Paulo (SP): Prestígio; 2005.

PEIXOTO NETO, P. A. S.; CAETANO, L. C. Plantas medicinais: do popular ao científico. Maceió: Edufal, 2005.

PINTO, S. et al. O Laboratório de Metodologias Inovadoras e sua pesquisa sobre o uso de metodologias ativas pelos cursos de licenciatura do UNISAL, Lorena: estendendo o conhecimento para além da sala de aula. Revista de Ciências da Educação, São Paulo, v. 2, n. 29, p. 67-79, jun./dez. 2013.

ROCHA, J. A.; BOSCOLO, O. H.; FERNANDES, L. R. R. de M. V. Etnobotânica: um instrumento para valorização e identificação de potenciais de proteção do conhecimento tradicional. Interações (Campo Grande). Campo Grande, vol.16, no.1, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/151870122015105.

SANTOMÉ, J. T. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 159-177.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, v. 12, n. 36, set/dez. 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782007000300007.

SCHARDONG, R. M. F.; CERVI, A. C. Estudos etnobotânicos das plantas de uso medicinal e místico na comunidade de São Benedito, Bairro São Francisco, Campo Grande- MS. Acta Biologica Paranaense, Curitiba, v.29, n.2, p.187-217. 2000.

SILVA, F. S.; et al. Levantamento etnobotânico das plantas medicinais da zona rural do Municipio de piumhi - Minas Gerais. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal, 3(6), 2005, p.1-4. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2020.

SILVA, P. G. P. O ensino da botânica no nível fundamental: um enfoque nos procedimentos metodológicos. 2008. 146 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2008. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2020.

SOUZA, B. M. N. C. Percepção de crianças sobre plantas medicinais em ambiente escolar de educação infantil e ensino fundamental em Florianópolis, SC. Relatório de estágio apresentado ao curso de Graduação em Agronomia, do Centro de Ciências Agrárias, da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis - SC 2013. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2020.

SOUZA, S. E. O uso de recursos didáticos no ensino escolar. Anais...In: I Encontro De Pesquisa Em Educação, IV Jornada De Prática De Ensino, XIII Semana de Pedagogia da UEM, Maringá, 2007. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2020.

SOUSA, C. G.; ARAÚJO, B. R. N.; SANTOS, A. T. P. Inventário Etnobotânico de Plantas Medicinais na Comunidade de Machadinho, Camaçari-BA. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v.5, supl.1, p.549-551, jul. 2007.

VELLOSO, C. C.; WERMANN, A. M.; FUSIGER, T. B. Horto Medicinal Relógio do Corpo Humano. EMATER: ASCAR, Putinga/RS. p.1-14, 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2020.

VIDAL, L. E. P.; BACIC, M. M. C. O desenho de observação e a construção do conceito de inseto: estudo de caso com alunos do ensino fundamental. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v.4, ed. especial, nov., 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.23899/relacult.v4i0.953. Acesso em: 18 nov. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico    Latindex Sumarios

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE
ISSN: 2526-9542