O USO DE MAPAS CONCEITUAIS COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NO ENSINO DE TERMOQUÍMICA

Aline Carmosina da Silva Queiroz, Ayla Márcia Cordeiro Bizerra

Resumo


A utilização de mapas conceituais como instrumento de avaliação da aprendizagem proporciona ao professor o acompanhamento da evolução conceitual do aluno e a identificação do seu nível de compreensão acerca do conteúdo estudado. Nesse viés, este estudo, de natureza qualitativa, objetivou avaliar o processo de aprendizagem significativa no ensino de termoquímica utilizando mapas conceituais como ferramenta avaliativa. Para isso, foi adotada uma sequência didática na qual realizou-se experimentação em uma turma de 2º ano do ensino médio abordando conceitos de termoquímica e utilizou-se mapas conceituais como identificadores de conhecimento prévio e de avaliação da aprendizagem. Diante disso, identificou-se que metade do número de mapas elaborados pelos estudantes expôs conceitos fundamentais contemplados na sequência didática, apresentando proposições com sentido semântico e significado lógico, estruturas bem organizadas, conceitos hierarquizados com termos de ligação entre eles e com subordinação. Assim, conclui-se que o uso de mapas conceituais possibilitou identificar os indícios do desenvolvimento da aprendizagem significativa, configurando-o como uma ferramenta eficiente para a avaliação formativa do discente.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, P. R. L. Ensino de Ciências e possibilidades de aprendizagens: Aprendizagem significativa baseada na experimentação e uso de mapas conceituais. 2015. 60 f. Monografia (Especialização em Letramentos e Práticas Interdisciplinares no Anos Finais) – Universidade de Brasília, Brasília/DF, 2015.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Portugal: Plátano, 2000.

AUSUBEL, D. P. The psychology of meaningful verbal learning. New York: Gruneand Stratton, 1963.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

COELHO, S. C.; SILVA, L. T. P.; LESSA, B. K. A. B. Contextualização no ensino de Termoquímica: um estudo dos conceitos de energia, calor, temperatura e calorias a partir do tema “alimentos”. In: SEMINÁRIO GEPRÁXIS, 2., 2017, Vitória da Conquista. Anais... Bahia: PPGED, 2017. p. 3514 -3531.

COSTA, M. L. A. da; ALMEIDA, A. S. de; SANTOS, A. F. dos. A falta de interesse dos alunos pelo estudo da química. In: Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade, 10, 2016, Sergipe. Anais... Sergipe: Universidade Federal de Sergipe, 2016, p. 1-7.

FERRACIOLI, L. Mapas conceituais como instrumento de eleciação de conhecimento. Revista Didática Sistêmica, v. 5. p. 65-75, 2007.

FONSECA, S. M. D. da. Sequência didática para o desenvolvimento de habilidades de produção de enunciados de questões discursivas de provas. Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo, Estudos Linguísticos XXXIV, p. 1290-1295, 2005.

GALVÃO, E. C. O compromisso formativo na avaliação da aprendizagem em química: das concepções às abordagens do erro. 2013. 113 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Comunicação e Artes, Universidade Estadual de Londrina, Londrina/PR, 2013.

GAMELEIRA, S. T.; BIZERRA, A. M. C. Identificação de conhecimentos prévios através de situações-problema. Revista Educação, Cultura e Sociedade, v. 9, n. 2, p. 130-147, 2019.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GUIMARÃES, C. C. Experimentação no ensino de química: caminhos e descaminhos rumo à aprendizagem significativa. Química Nova na Escola, v. 31, n. 3, p. 198-202, 2009.

HOFFMANN, J. Avaliação mediadora. Porto Alegre: Mediação, 2011.

LIMA, J. A. Plantas medicinais como temática de contextualização para uma aprendizagem significativa das funções orgânicas oxigenadas. 2017. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciência e Matemática) – Instituto Federal do Ceará, Fortaleza/CE, 2017.

LOURENÇO, A. B. et al. Implementação e avaliação de um curso sobre matéria e suas transformações baseado na teoria da aprendizagem significativa: uma análise a partir de mapas conceituais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 1, p. 117-137, 2012.

MENDONÇA, C. A. S.; MOREIRA, M. A. Uma revisão da literatura sobre trabalhos com mapas conceituais no ensino de ciências do pré-escolar às séries inicias do ensino fundamental. Revista Práxis, n. 7, p. 11-35, 2012.

MOREIRA, M. A. ¿Al final, qué es aprendizaje significativo? Qurriculum: revista de teoría, investigación y práctica educativa, n. 25, p. 29-56, 2012.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa em mapas conceituais. Textos de apoio ao professor de física, v. 24, n. 6, p. 1-55, 2013.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Universidade de Brasília, 2006.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MOREIRA, M. A. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. Revista Chilena de Educação, v. 4, n. 2, p. 38-44, 2012.

MOREIRA, M. A.; SOARES, S.; PAULO, I. C.l de. Mapas conceituais como instrumento de avaliação em um curso introdutório de mecânica quântica. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 1, n. 3, p. 1-12, 2008.

NOVAK, J. D.; CAÑAS, A. J. A teoria subjacente aos mapas conceituais e como elabora-los e usa-los. Praxis Educativa, v. 5, n. 1, p. 9-29, 2010.

NOVAK, J. D. Learning, creating, and using knowledge: concept maps as facilitative tools in schools and corporations. Nova Iorque: Routledge, 2010.

SOUZA, N. A. de; BORUCHOVITCH, E. Mapas conceituais: estratégia de ensino/aprendizagem e ferramenta avaliativa. Educação em Revista, v. 26, n. 3, p. 195-217, 2010.

TAVARES, R. Construindo mapas conceituais. Ciências & Cognição, v. 12, p. 72-85, 2007.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico    Latindex Sumarios

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE
ISSN: 2526-9542