SUPER TRUNFO VACINAS: CARTAS NA MANGA PARA ABORDAR IMUNIZAÇÃO

Patrícia do Socorro de Campos da Silva, Luiz Alberto de Souza Filho, Priscilla Guimarães Zanella Diniz, Roberta Rodrigues da Matta, Marcelo Diniz Monteiro de Barros

Resumo


O objetivo deste trabalho foi criar um jogo que possa ser utilizado como estratégia educativa para tratar do tema vacinação. Foi utilizada uma abordagem descritiva para o processo de criação das cartas. As informações foram retiradas de sites oficiais do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Para revisão do material, os autores contaram com a avaliação de um especialista na área. O material educativo seguiu o modelo do jogo Super Trunfo, distribuído pela Grow no Brasil, que consiste em cartas colecionáveis que podem ser tomadas dos outros participantes por meio de escolhas de características de cada carta. Através das informações contidas nas cartas é possível desenvolver discussões a respeito das doenças enfrentadas no Brasil, assim como a diferença na tipologia das vacinas e de seus processos de criação. Por fim, o jogo pode, ainda, aproximar os conhecimentos associados ao calendário vacinal dos interesses das crianças e adolescentes, de forma lúdica, contextualizada e prazerosa.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBIERI, C. L. A.; COUTO, M. T.; AITH, F. M. A. A (não) vacinação infantil entre a cultura e a lei: os significados atribuídos por casais de camadas médias de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. v. 33. n. 2. p. 1 – 11. 2017.

BARROS, J. D.; ORTOLANO, S. M. C. M.; FUJIHARA, R. T. Zoo cards - o super trunfo animal: um jogo didático como ferramenta para o ensino no zoológico. Revista Brasileira de Educação Ambiental. v. 13, n. 4. p. 145-155. 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Revista da Vacina. História. Linha do tempo. 2020a. Disponível em: . Acesso em 26.08.2020.

BRASIL. Ministério da Saúde (Org.). Entenda por que a vacinação evita doenças e salva vidas. 2020b. Disponível em: . Acesso em: 26.08.2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: apresentação dos temas transversais. 1ª edição. Brasília: MEC/SEF, 1998, v. 10.1.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2017.

CAMARGO, L. S. As “bexigas” e a introdução da vacina antivariólica em São Paulo. Histórica – Revista Eletrônica do Arquivo Público do Estado de São Paulo, n. 28. Ano 3. 2007. Disponível em: http://www.historica.arquivoestado.sp.gov.br/materias/anteriores/edicao28/materia03/. Acesso em 26.08.2020. godoi

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELÍCIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos núcleos de Ensino, v. 47, p. 47-60, 2003.

CANTO, A. R.; ZACARIAS, M. A. Utilização do jogo Super Trunfo Árvores Brasileiras como instrumento facilitador no ensino dos biomas brasileiros. Ciências & Cognição, v. 14, n. 1, p. 144-153, 2009.

CARVALHO. A. M. C.; ANDRADE, E. M. L. R.; NOGUEIRA, L. T.; ARAÚJO, T. M. E. Adesão à vacina HPV entre os adolescentes: revisão integrativa. Texto e Contexto - enfermagem. v. 28. p. 1 – 15. 2019. Disponível em: . Acesso em 19 abr. 2021.

CARVALHO, E. B.; PACHECO, K. F. G.; RODRIGUES, J. O jogo didático “jogo dos biomas” como método de ensino e aprendizagem. Anuário da Produção Acadêmica Docente, v. 5, v. 10, p. 75-86, 2011.

CÉSAR, S. J.; SEZAR, S. Biologia. Vol. 2. 2ª série. Seres vivos: estrutura e função. São Paulo: Saraiva. 8ª ed. 2005.

FERREIRA, C. P.; MEIRELLES, R. M. S. Avaliação da metodologia participativa na elaboração de um jogo: uma forma de trabalhar com a transversalidade construindo conhecimento e contribuindo para a promoção da saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n. 2, p. 275-292, 2015.

GODOI, T. A. D. F.; OLIVEIRA, H. P. M. D.; CODOGNOTO, L. Tabela periódica – um super trunfo para alunos do ensino fundamental e médio. Química nova na escola, v. 32, n. 1, p. 22-25, 2010.

GRANDO, R. C. O Jogo e suas Possibilidades Metodológicas no Processo Ensino Aprendizagem da Matemática. 1995. 194f. Dissertação (Mestrado em Educação, subárea: Matemática). Campinas: UNICAMP.

HERMANN, F. B.; ARAÚJO, M. C. P. Os jogos didáticos no ensino de genética como estratégias partilhadas nos artigos da revista genética na escola. In: Encontro Regional Sul de Ensino de Biologia, 6., 2013, Santo Ângelo. Anais… Santo Ângelo: URI, 2013.

HUIZINGA, J. Homo Ludens - O jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 5. ed., 2004, p. 3-31.

JOAQUIM, F. L.; CAMACHO, A. C. L. F. O uso de jogos como estratégia de ensino: relato de experiência. Revista de Enfermagem UFPE online, v. 8, n. 4, p. 1081-1084, 2014. Disponível em: . Acesso em 26.08.2020.

KISHIMOTO, T. M. (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo: Cortez, 1999.

LIRA-DA-SILVA, R. M.; SILVA, J. R. L.; MISE, Y. F.; DORES, J. L. R.; ARAÚJO, B. R. N. Ludicidade e ciência: produção e divulgação de jogos sobre ciências em um espaço de ensino não-formal. In: Encontro de Pesquisa em Educação em Ciências, 8., Campinas. Atas... Campinas: UNICAMP, 2011.

LOPES, M. B. POLITO, R. “Para uma história da vacina no Brasil”: um manuscrito inédito de Norberto e Macedo. História, Ciências, Saúde – Manguinhos. v. 14, n. 2, p.595-605, 2007.

LOPES, S.; ROSSO, S. Bio: volume 2. São Paulo: Saraiva. 2ª ed. 2013.

MESSEDER NETO, H. S.; MORADILLO, E. F. O jogo no ensino de química e a mobilização da atenção e da emoção na apropriação do conteúdo científico: aportes da psicologia histórico-cultural. Ciência & Educação, Bauru, v. 23, n. 2, p. 523-540, Jun. 2017.

PARREIRA, A. G.; SOUZA, H. D.; BESSA, A. M. Imunologia na escola: promoção do debate acerca da vacinação. Expressa Extensão, v. 25, n. 2, p. 68-79, 2020.

RAZERA, C. C.; TEIXEIRA, P. M. M.; CAMPOS, M. C. A; CONTI, S. R.; ARRUDA, M. S. P. Aspectos evolutivos do conceito de vacina nos livros didáticos no ensino fundamental. In:Encontro Nacional de Pesquisas em Educação em Ciências, 2, 1999. Valinhos, SP, 1999. Atas… Valinhos: IF-UFRGS, 1999.

RODRIGUES, I. C.; FIORAVANTE, I. O.; KUBOTA, R. M. M., FURTIL, A. P., JUSTINO, S. T. S.; SANTOS, M. R. Vacinação de escolares: estimulando o autocuidado e a responsabilização. Arquivos de Ciência da Saúde, v. 18, n. 4, p. 170-5, 2011.

SANTANDES, R.; FELTRIN, B. C.; VIDOTTI, A. P.; MARTINS, I. P.; PERLES, J. V. C. M. Covid-19 em tempos de isolamento: Educação não formal e jogos para informar e sensibilizar. Arquivos do Mudi, v. 24, n. 2, p. 127-139, 2020.

SCLIAR, M. Oswaldo Cruz: entre micróbios e barricadas. Rio de Janeiro: Relume Dumara/Rioarte. 1996. 101p. (Perfis do Rio, 6). Disponível em: . Acesso em 26.08.2020.

SILVA, A. M. T. B.; METTRAU, M. B.; BARRETO, M. S. L. O lúdico no processo de ensino-aprendizagem das ciências. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, v. 88, n. 220, p. 445-458, set./dez. 2007.

SILVA, B. N.; SOUZA, T. G.; VIEIRA, J. K. S.; SILVA, M. Z. C. S.; FARIAS, V. E.; SILVA, L; H.; RODRIGUES, J. A. S.; ARAÚJO, L. L.; ASSIS, L. M. Imunologia nas escolas: experiências de um projeto de extensão. Revista Brasileira de Extensão Universitária, Chapecó, v. 9, n. 2, p. 93-98, mai./ago. 2018.

SILVA, T. E. Interdisciplinaridade e transversalidade em Ciência da Informação. Recife: Néctar, 2008.

SMITH, P. J,; CHU, S. Y.; BARKER, L. E. Children Who Have Received no Vaccines: Who Are They and Where Do They Live? Pediatrics v. 114. n. 1. p. 187 – 195. 2004.

SOARES, M. H. F. B.; REZENDE, F. A. M. Análise Teórica e Epistemológica de Jogos para o Ensino de Química publicados em Periódicos Científicos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 19, p. 747-774, 2019.

SOUZA FILHO, L. A. Entre fake news e boatos, lorotas, fofocas e potocas: a divulgação científica em tempos de desinformação. 2020. 86 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Instituto de Biologia Roberto Alcantara Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2020.

______.; LAGE, D. A. O ensino lúdico nas Atas do VII-XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 12., 2019, Natal. Atas... Natal: UFRN, 2019.

______.; MELO, B. S.; MATOS, M. T. S. LAGE, D. A. Ludicidade na educação inclusiva: o jogo da memória das organelas celulares. In: Encontro sobre Jogos e Mobile Learning, 5., 2020, Coimbra. Atas… Coimbra, UC-PT, 2020.

SUCCI, C. M.; WICKBOLD, D.; SUCCI, R. C. M. A vacinação no conteúdo de livros escolares. Revista da Associação Médica Brasileira. v. 51, n. 2, p. 75-79. 2005. Disponível em: . Acesso em: 26.08.2020.

TEVA, A.; FERNANDEZ, J. C. C.; SILVA, V. L. IMUNOLOGIA. IN: MOLINARO, E. M.; CAPUTO, L. F. G.; AMENDOEIRA, M. R. R. (Org.) Conceitos e métodos para a formação de profissionais em laboratórios de saúde: volume 1. Rio de Janeiro: EPSJV – IOC. 2009.

TOLEDO, K. A. MAZALI, S. G.; PEGORARO, J. A. ORLANDO, J.; ALMEIDA, D. M. O uso de história em quadrinhos no ensino de imunologia para educação básica de nível médio. Inter-Ação, v. 41, n. 3, p. 565-584, 2016.

VALADARES, B. L. B.; RESENDE, R. O. Na trilha do sangue”: o jogo dos grupos sanguíneos. Genética na Escola, v. 3, n.3, p. 10-16, 2009.

VASCONCELOS, M. S. Ousar brincar. p. 57 – 74. In: Humor e alegria na educação. ARANTES, V. A. (Org.). São Paulo: Summus. 2006. 192p.

VYGOTSKY, L. S. A formação Social da Mente. A formação dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes. 7ª edição. 182 p. 2007.

ZORZETTO, R. As razões da queda na vacinação. Revista Pesquisa FAPESP. Capa. p. 19 – 24. 2018. Disponível em: . Acesso em 26.08.2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A Revista REPPE está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem: 
DOAJ DIADORIM  Google Acadêmico    Latindex Sumarios

Licença Creative Commons
Revista Reppe está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em http://uenp.edu.br/reppe

 

Revista de Produtos Educacionais e Pesquisas em Ensino - REPPE - ISSN: 2526-9542