A INTERFERÊNCIA SOCIAL DA MORFOLOGIA URBANA E SEUS REFLEXOS

Gustavo Valeriano MORAES

Resumo


Pode-se dizer que as leis evoluíram ao passo em que se desenvolveram as cidades. No entanto, o alcance generalizado e justo da aplicação legal ainda não passa de uma grande utopia. Os direitos fundamentais, como o direito à propriedade, não são efetivados de forma igualitária pela inércia do poder público e por fatores econômicos, morais e políticos que o envolvem, privilegiando, assim, apenas um seleto grupo da sociedade, descartando e estigmatizando o restante. As cidades são modificadas de acordo com os costumes de uma sociedade, e seu inverso é, também, real. Tal ambigüidade fornece elementos para uma complexa rede que incide sobre as formações urbanas, que não foram estruturadas de forma a compor um ambiente equilibrado, e principalmente sobre os indivíduos, que são influenciados pelo meio. Diante da atual crise social-urbana que vivenciamos, o direito urbanístico pode ser considerado um valioso mecanismo de equilíbrio nas relações urbanas e de efetivação dos preceitos constitucionais.


Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Confiança e Medo na Cidade. Trad. Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio D’Água, 2005.

______. Globalização – As Conseqüências Humanas. Trad. Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BUHLUNGU, Sakhela. O Reinventar da Democracia Participativa na África do Sul. In: SANTOS, Boaventura de Souza (org.). Democratizar a Democracia, Os Caminhos da Democracia Participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil 1988. Código Civil e Constituição Federal. 13 ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Estatuto da Cidade - guia para implementação pelos municípios e cidadãos.

Brasília: Instituto Pólis/ Câmara dos Deputados/ Caixa Econômica Federal, 2001.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. CIDADE DE MUROS: Crime, segregação e cidadania em São Paulo. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2003.

COULANGES, Fustel de. A Cidade Antiga. Estudo sobre o culto, o direito e as instituições da Grécia e de Roma. Trad. J. Cretella Jr. e Agnes Cretella. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

DEMO, Pedro. Pobreza Política – a pobreza mais intensa da pobreza brasileira. Campinas: Armazém do Ipê.

DIAMOND, Jared. Armas, Germes e Aço – os destinos das sociedades humanas. 8 ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. A Democracia Possível. São Paulo: Saraiva, 1972.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 15 ed. Rio de Janeiro: Graal, 2000.

GONÇALVES, Cláudia Maria da Costa. Direitos Fundamentais Sociais – Releitura de uma Constituição diritente. Curitiba: Juruá, 2007.

JACOBS, Jane. Morte e Vida de Grandes Cidades. 1. ed. 3.tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARICATO, Ermínia. Brasil, Cidades – alternativas para a crise urbana. 2 ed. Petrópolis: 2002.

ROTHENBURG, Walter Claudius. Princípios Constitucionais. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, 1999.

SILVA, José Afonso da. Direito Urbanístico Brasileiro. 3 ed. Ver. e atual. São Paulo: Malheiros, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v10i10.125

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Argumenta

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil