O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE: ASPECTOS JURÍDICOS E SOCIAIS

Marilda Tregues de Souza SABBATINE

Resumo


O direito de punir deve cumprir com sua finalidade, o seu desvio é condenável. O Estado Democrático de Direito não permite prosseguir sem atenção aos princípios da dignidade humana e as garantias fundamentais. O modelo prisional brasileiro não consegue cumprir com o seu papel, não consegue trazer o apenado de volta ao convívio social. O objetivo aqui proposto é o de estudar alternativas viáveis para substituição do modelo prisional atualmente existente, fazendo uma reflexão sobre a realidade deste sistema. A pena privativa de liberdade foi deixada à sua própria sorte por falta de efetiva administração político-criminal. É urgente a necessidade de reforma do modelo penal existente no Brasil. Para tal haverá necessidade de uma ampla revisão do Direito Penal. O alcance social da pena e suas finalidades deverão ser repensados visando à obtenção da dignidade humana, extraindo o tratamento uniforme, e individualizando a pena. É dever de toda sociedade pensar em soluções alternativas para a supressão da prisão como único meio de justiça social. A doutrina moderna, baseada na teoria da intervenção mínima, prega a descriminalização, a descaracterização e despenalização, como meio de efetiva solução do problema. Assim, haverá a diminuição dos tipos penais e ainda a diminuição das penas em abstrato, fazendo com que aconteça a diminuição da penas privativas de liberdade. Para persecução destes objetivos, atendendo à pertinência do assunto, foram consultados bibliografias, do acervo das Faculdades Integradas de Ourinhos- FIO, bem como acervo pessoal e ainda alguns volumes cedidos por professores. As bibliografias utilizadas abrangeram tanto a área jurídica, bem como as áreas sociológicas e ainda psicológicas, no intuito de tecer comparação entre as ciências, visando uma conclusão acerca do alcance dos efeitos da pena privativa de liberdade na sociedade.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Saraiva, 2004.

ANDRADE, Vera Regina Pereira, A ilusão da segurança jurídica - Do controle da violência à violência do controle. Porto Alegre: livraria do advogado, 1997.

AYDOS, Marco Aurélio Dutra. Ilustres assassinos, ensaios contra a pena de morte (e outros). São Paulo: Acadêmica, 1992.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. Trad. Paulo M. Oliveira. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

BITENCOURT, Cézar Roberto. Falência da Pena de Prisão - Causas e Alternativas. São Paulo: Saraiva, 2004.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução por Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

CARVALHO, Salo de. Pena e Garantias: uma leitura de Luigi Ferajoli no Brasil. Rio de Janeiro: Lumen Júris, 2001.

CARVALHO, Luis Gustavo Grandinetti Castanho. O Processo Penal em face a Constituição. Rio de Janeiro: forense, 1998.

DOTTI, René Ariel. Bases e alternativas para o sistema penas. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1998.

FERNANDES, Newton; Fernandes, Valter. Criminologia Integrada. São Paulo: Revista dos tribunais, 1995.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

__________, _____. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 2005.

FRAGOSO, Cláudio Heleno. Direito Penal e Direitos Humanos. Rio de Janeiro: Forense, 1980.

GIACOIA Junior, Osvaldo. Nietzsche como Psicólogo. São Leopoldo: Unisinos, 2001.

GOMES, Luiz Flávio; Antonio Garcia Plabos de Molina. Criminologia. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.

GRINOVER, Ada Pellegrini . O Processo Constitucional em Marcha. São Paulo: Max Limonad, 1985.

HASSEMER, Winfried. Três Temas de Direito Penal. Porto Alegre: Revista de Estudos, 1993.

HUNGRIA, Nelson. Comentários ao Código Penal. Rio de Janeiro: Forense, 1959.

HERKENHOFF, João Batista. Como Aplicar o Direito. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

JESUS, Damásio Evangelista de. Regras de Tóquio. São Paulo: Paloma, 1998.

LEAL, César Barros. Prisão: crepúsculo de uma era. Belo Horizonte: Del Rey, 2001.

LYRA, Roberto. Comentários ao código penal. Rio de Janeiro: Forense, 1958.

MAIA NETO, Cândido Furtado. Direitos humanos do preso: lei de execução penal. Rio de Janeiro: Forense, 1998.

MARX, Karl. DO Capital. Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo brasileiro. São Paulo: Revista dos tribunais, 1987.

MELOSSI, Dario; Pavarini, Massimo. Cárcere e fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos XVI-XIX). Rio de Janeiro: Revan, 2006.

MIOTO, Armida Bergamini. Temas Penitenciários. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1992.

MIR PUIG, Santiago. Funcion de la pena y teoria del delito en el estado social y democratico de derecho. Barcelona: Bosch, 1982.

NORONHA, Magalhães. Direito Penal. São Paulo: Saraiva, 1991.

PIERANGELI, José Henrique; Zaffaroni, Eugenio Raúl. Manual de Direito Penal Brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

RAMIREZ, Juan Bustos. Manual de Derecho Penal. Barcelona : Ariel, 1982.

SANTOS, Juarez Cirino dos. A criminologia radical. Rio de Janeiro: Forense, 1981.

SALIBA, Maurício Gonçalves. O olho do poder-Análise crítica da proposta educativa do Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo: Unesp, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v10i10.128

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Argumenta

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil