A DEMOCRACIA E A REALIDADE DA EXECUÇÃO PENAL BRASILEIRA

Danieli Cristina MARCON

Resumo


Não há dúvidas sobre a estreita ligação existente entre a efetivação da democracia e a realidade da execução penal brasileira. As altas taxas de criminalidade, a importância da segurança dos brasileiros, o respeito a vida, à liberdade e à propriedade, as dissonâncias existentes entre a prática e a teoria na aplicação e execução da pena, bem como, as condições insalubres dos presos, revelam um total desrespeito ao Estado Democrático de Direito. Tais fatos, expõem tanto a população carcerária, quanto a extramuros, a situações de extremo risco e falta de representatividade, criando-se um verdadeiro caos, constantemente revelado pelas rebeliões, pela matança e pela corrupção nas cadeias e fora delas. A única solução para isso, como se vê, é a luta pela ressocialização, com a qualificação correta dos presos (carceragem e trabalhos adequados à pessoa do preso e ao delito cometido),  a respectiva individualização da pena, bem como, o direito do preso de ser tratado como ser humano, ou seja, direito ao menos, de possuir as condições mínimas de sobrevivência como a alimentação, saúde, educação e higiene, conforme veremos no decorrer do trabalho.


Texto completo:

PDF

Referências


BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica y Crítica del Derecho Penal. Traduzido por Álvaro Bunster. México : Ed. Siglo XXI. 1986. p. 194.

BARROS, Andréa. O Estado de São Paulo. Domingo, 4 junho de 2006.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro : Campus, 1992, p. 10.

CAPEZ, Fernando. Curso de processo penal. 6. ed., São Paulo: Saraiva, 2001.

DELLA TORRE, M.B.L. O Homem e a sociedade – Uma introdução à sociologia. 15ª ed. Companhia Editora Nacional. 1989.

DONNICI, Virgílio Luis. Professor de Direito no Estado do Rio de Janeiro em declarações feitas em reunião da CPI do Sistema Penitenciário da Câmara dos Deputados.

DOTTI, René Ariel. Os princípios fundamentais na reforma de execução penal, Arquivos do Ministério da Justiça. Brasília : Imprensa Nacional. 1981. p.202.

FALCI. Ulisses Junior. Advogado militante em direito criminal na Comarca de Coronel Vivida-Pr. Texto retirado de petição criminal, devidamente autorizado pelo Autor.

FARIAS JR., João. Manual de Criminologia Curitiba : Educa. 1990. pg.97.

FOUCALT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis : Vozes. 1987. pg.09.

LEAL, Cesar Barros. A prisão em uma perspectiva histórica e o desafio atual dos Direitos Humanos dos presos. Arquivos do Ministério da Justiça. Brasília.Imprensa Oficial. p 91.

LINDGREN ALVES, José Augusto. O Sistema de Proteção das Nações Unidas e as Dificuldades Brasileiras. Revista do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Brasília 2(4):27-39. jul/dez. 1994.

MAIA NETO, Cândido Furtado. Alternativas de Controle da criminalidade. Correio Brasiliense em 19 de novembro de 1989. pg.4.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Código de processo penal interpretado. 11. ed., São Paulo: Atlas, 2003.

MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil interpretada. 4. ed., São Paulo: Atlas, 2004.

NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Comentários à lei de execução penal: Lei n.º 7.210 de 11.7.1984. 3ª ed. ver. e ampl. São Paulo : Saraiva. 1996. pg. 62 e 63.

NORONHA, E. Magalhães. Direito Penal . São Paulo : Saraiva. 2001. vol. 1. pg. 35.

OTTOBONI, Mário. Ninguém é irrecuperável: APAC: a revolução do sistema penitenciário. São Paulo : Cidade Nova. 1997. pg. 22.

PIMENTEL, Manoel Pedro. Câmara dos Deputados. CPI do Sistema Penitenciário, publicada no documento do Ministério da Justiça com o titulo Criminalidade e Violência, em 1990, volume dois, pela Imprensa Nacional.

RANGEL, Paulo. Direito processual penal. 8. ed., Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2004.

THOMPSON, Augusto. A questão Penitenciária. 3ª ed. ver. atual. Rio de Janeiro : Forense. 1991. pg. 96.

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Código de processo penal comentado. v. I. 7. ed., São Paulo: Saraiva, 2003

VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo : Companhia das Letras. 1999

VIDIGAL, Edson Carvalho. Presos Especiais. Direito Federal: Revista da Associação dos Juízes Federais do Brasil, v. 20, n.67, p. 357-360, jul./set. 2001.

ZAFFARONI, Eugênio Raul. Tratado de Derecho Penal – parte general. Tomo V. Buenos Aires : Ediar. p.491.

______http://www.tribunadobrasil.com.br/?ned=1674&ntc=18515&sc=43

______Jornal “ O recomeço”. Editado e publicado pelos presos da Cadeia de Leopoldina-MG.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v10i10.134

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Argumenta

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil