NEOPROCESSUALISMO E A LEI “MARIA DA PENHA”: ACESSO DAS MULHERES À ORDEM JURÍDICA JUSTA

Pedro Gonzaga ALVES

Resumo


O princípio constitucional da inafastabilidade da jurisdição, além de garantir o acesso formal à Justiça, deve ser interpretado no sentido de assegurar o acesso à ordem jurídica justa. Assim, a Lei n.º 11.340/06,  com o escopo de tutelar efetivamente os direitos das mulheres e dotar de eficácia plena dispositivos da Constituição Federal, positivou instrumentos processuais de urgência e previu a instalação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Referidas medidas são adequadas, pois garantem a proteção dos direitos do sexo feminino de forma efetiva e célere. O presente artigo pretende demonstrar, por meio de pesquisa em fontes bibliográficas, que a inovação legislativa é necessária para se assegurar a igualdade substancial entre os sexos, visto que o tratamento processual comum demonstrava ser ineficaz na tutela dos direitos materiais do gênero. Em razão da histórica discriminação das mulheres e da violência doméstica ou familiar suportada pelo sexo feminino, ações afirmativas nesse sentido são necessárias para a inclusão, por meio do processo, das mulheres no sistema constitucional de garantias e direitos fundamentais.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, Arruda. Manual de Direito Processual Civil: Parte Geral. 10 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Sistema Penal Máximo x Cidadania Mínima: Códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre: Livraria do Advogado,

BARCELLOS, Ana Paula de. Ponderação, Racionalidade e Atividade Jurisdicional. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

BEDAQUE, José Roberto dos Santos. A Efetividade do Processo e Técnica Processual. 2 ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

_____. Direito e Processo: Influência do direito material sobre o processo. 2 ed. São Paulo: Malheiros, 2001.

BREGA FILHO, Vladimir. Direitos fundamentais na Constituição de 1988: conteúdo jurídico de expressões. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2002.

CÂMARA, Alexandre Freitas. Lições de Direito Processual Civil. 15 ed. v. 1. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2006.

Programa de Mestrado em Ciência Jurídica da UENP

CAMBI, Eduardo. Direito Constitucional à Prova no Processo Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

_____. Jurisdição no processo civil: compreensão crítica. Curitiba: Juruá, 2002.

_____. Neoconstitucionalismo e neoprocessualismo. Panóptica, Vitória, ano 1, n. 6, fev. 2007, p. 1-44. Disponível em: . Acesso em 19/08/

CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de Direito Processual Civil. v. 2. Campinas: Bookseller, 1998.

DAHL, Tove Stang. O direito das mulheres: uma introdução à teoria do direito feminista. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

DIAS, Maria Berenice. A Lei Maria da Penha na Justiça: A efetividade da Lei n.° 11.340/06 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

HERMANN, Leda Maria. Maria da Penha: lei com nome de mulher. Campinas: Servanda, 2007.

MARINONI, Luiz Guilherme; ARENHART, Sérgio Cruz. Manual do Processo de Conhecimento: A tutela jurisdicional através do processo de conhecimento. 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

_____. Processo Cautelar. v. 4. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

NUCCI, Guilherme de Souza. Leis penais e processuais penais comentadas . 2 ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2006.

PORTO, Pedro Rui da Fontoura. Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher: Análise crítica e sistêmica. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.

SAMPAIO JÚNIOR, José Herval. Processo Constitucional: Nova concepção de jurisdição. São Paulo:Método, 2008.

SARLET, Ingo Wolfgang. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos Fundamentais na Constituição Federal de 1988. 3 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004.

STRECK, Lênio Luiz. Hermenêutica jurídica e (em) crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. 7. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v13i13.181

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Argumenta

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil