O ACESSO À JUSTIÇA E A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO REALIZADO PELOS ESCRITÓRIOS MODELO DE APLICAÇÃO DAS FACULDADES DE DIREITO

Mateus Faeda PELLIZZARI

Resumo


O direito de acesso à justiça e de defesa está garantido na Constituição e não deve ser entendido apenas como acesso ao judiciário nem pode ser obstaculizado pela falta de recursos financeiros daquele que foi reconhecido pobre na forma da lei. É dever do Estado propiciar a essas pessoas a possibilidade de conhecimento e defesa de seus direitos e isto deveria ser feito através de seu órgão competente, que é a Defensoria Pública. Infelizmente a realidade atual demonstra que há uma grande deficiência nesse atendimento, seja por falta de estruturação e apoio dado pelos governos estaduais, seja por outros problemas no serviço que é oferecido à população marginalizada socialmente. Tendo em vista as dificuldades que se apresentam, surge a necessidade de se encontrar novos meios que facilitem o acesso à justiça por todos os cidadãos. Daí a idéia de estimular e incentivar os Núcleos de Prática Jurídica das Faculdades de Direito que, através dos Escritórios Modelo de Aplicação, prestam um grande serviço no âmbito social voltado ao atendimento dos menos favorecidos, permitindo a todos, sem distinção, o acesso pleno à justiça.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. 28. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

_______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. INDICADORES SOCIAIS MÍNIMOS. Disponível: http://www.ibge.gov.br/ibge/default.php. Acessado em novembro de 2004.

_______. Ministério da Educação e do Desporto. Portaria Ministerial n.º 1.886, de 30 de dezembro de 1994. Brasília, 1994.

_______. Ministério da Educação e do Desporto. Resolução n.º 9, de 29 de setembro de 2004. Brasília, 2004.

CAPPELLETTI, Mauro & GARTH, Bryant. Acesso à justiça. Tradução de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: SAFE, 1988.

CARMONA, Carlos Alberto. A crise do processo e os meios alternativos para a resolução de controvérsias. In: Revista de Processo, n. 56, ano 1989, p. 91-99.

DALLARI, Dalmo de Abreu. O poder dos juízes. São Paulo: Saraiva, 1996.

OLIVEIRA, André Macedo de. Ensino jurídico: diálogo entre teoria e prática. Porto Alegre: SAFE, 2004.

RAMOS, Glauco Gumerato. Realidade e perspectivas da assistência jurídica aos necessitados no Brasil, In: FUNDAÇÃO KONRAD ADENAUER. Cadernos Adenauer 3: Acesso à justiça e cidadania . São Paulo: Annablume Editora, maio 2000, p. 31-52.

RIO DE JANEIRO. Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro. Organização. Disponível: http:// www.dpge.rj.gov.br/pg_instituicao.htm. Acessado em novembro de 2004.

RODRIGUES, Horácio Wanderley. Acesso à justiça no direito processual brasileiro. São Paulo: Acadêmica, 1994.

SAULE JÚNIOR, Nelson. A Assistência jurídica como instrumento de garantia dos direitos urbanos e cidadania. In: DI GIORGI, Beatriz; CAMPILONGO, Celso

Fernandes e PIOVESAN, Flávia. DIREITO, CIDADANIA E JUSTIÇA: Ensaios sobre lógica, interpretação, teoria, sociologia e filosofia jurídicas – vários colaboradores. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.

SILVA, Luiz Marlo de Barros. O Escritório Modelo como instrumento de efetivação da garantia constitucional da assistência jurídica gratuita. Tese de Doutorado. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Jurídicas, Curso de Pós-Graduação em Direito, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v5i5.40

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Argumenta

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil