DIREITO E POLÍTICA EM HANNAH ARENDT

Ivana Nobre BERTOLAZO

Resumo


Em sua obra Hannah Arendt procura respostas para os grandes acontecimentos do século XX, como os regimes totalitários e o holocausto. Essa procura leva-a ao estudo da política pela filosofia. Ao repensar a política, Arendt cria o conceito de condição humana. Ela considera que o homem é um ser humano condicionado, e a condição humana divide-se em duas esferas distintas: a esfera da vida ativa, composta pelo labor, trabalho e ação e a esfera da vida contemplativa, composta pelo pensar, querer e julgar. Dentro da vida ativa a pluralidade manifestase na ação e no discurso, exercidos no espaço da aparência. E dentro da vida contemplativa a pluralidade manifesta-se na faculdade do juízo, também exercido no espaço da aparência. Essa inter-relação entre a vida ativa e a vida contemplativa, por meio das atividades políticas das duas esferas demonstra que não há ncompatibilidade entres esses dois modos de vida. As semelhanças existentes reforçam o espaço da aparência como o lugar onde os homens se mostram uns aos outros e exercem a verdadeira política. Dessa forma, o objetivo desse trabalho é compreender o significado do conceito de espaço da aparência qual a sua importância para a política e para o direito.


Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1993.

ARENDT, Hannah. Lições sobre a Filosofia Política de Kant. Tradução de André Duarte de Macedo. Rio de Janeiro: Relume – Dumará, 1993.

______. Eichmann em Jerusalém: um retrato sobre a banalidade do mal. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. 336p. A Condição Humana. Tradução de Roberto Raposo. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. 352p.

______. A Vida do Espírito: O Pensar, O Querer, O Julgar. Tradução de Antônio Abranches, César Augusto R. de Almeida, Helena Martins. 2v. 5. ed. Rio de Janeiro: Relume – Dumará, 2002. 382p.

______. Filosofia e Política. In: ______. A Dignidade da Política. Organizador Antônio Abranches. Tradução de Helena Martins e outros. Rio de Janeiro: Relume – Dumará, 2002. p. 91 – 115.

______. Responsabilidade Pessoal sob a Ditadura. In: ______. Responsabilidade e Julgamento. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. 375p.

AZEVEDO, Plauto Faraco de. Direito, Justiça Social e Neoliberalismo, 1ª ed. 2ª Tiragem. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.

BUENO, Robison Poreli Moura. Em Busca do Justo Perdido: Crítica à Ciência Jurídica e a Dicotomia Direito e Justiça. 2001. Monografia de conclusão de curso (Bacharelado em Direito) – Centro de Estudos Sociais Aplicados, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. 4º ed. São Paulo: Ed Ática, 1995.

______.O que é Ideologia. (Coleção Primeiros Passos). São Paulo: Brasiliense, 1980.

CORREIA, Adriano et.al. Transpondo o abismo: Hannah Arendt entre a filosofia e a política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002. 165p.

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. Tradução Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ECO, Umberto e MARTINI, Carlo Maria. In Cosa Crede Chi Non Crede? 3º edicione. Roma: Atlantide Editoriale. 1998.

ECO, Umberto. Como se faz uma Tese. Trad. Lucrécia D’Aléssio Ferrara. São Paulo: Nova Cultural, 1989.

ETTINGER, Elzbieta. Hannah Arendt / Martin Heidegger. Tradução de Mário Pontes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996. 140p.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito.Técnica, Decisão, Dominação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

GUSMÃO, Paulo Dourado de. Introdução ao Estudo do Direito. 23. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1998.

LAFER, Celso. A Reconstrução dos Direitos Humanos. Um diálogo como pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LÖWY, Michael. Ideologias e Ciência Social: elementos para uma análise marxista.11ed. São Paulo: Cortez, 1996.

LYRA FILHO, Roberto. O que é Direito. 17. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

HISTÓRIA VIVA GRANDES TEMAS. Edição Especial Temática: Os Gregos. São Paulo: Ediouro, ano 1, n. 3. 2003.

MAAR, Wolfgang Leo. O que é Política. 4ª ed. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Brasiliense, 1984.

MÜLLER, Maria Cristina. Hannah Arendt: O Resgate da Política. Parte I: O Conceito de Ação. Crítica, Londrina, v. 5, n. 19, p. 271 –280, abr/jun.2000.

______. Hannah Arendt: O Resgate da Política. Parte II: Vita Contemplativa: A Faculdade de Julgar e sua Intrínseca Politicidade. Crítica, Londrina, v. 6, n. 23, p.

–419, abr/jun. 2001.

MUÑOZ, Cristina Sánchez. Hannah Arendt. El Espacio de la Política. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2003. 364p.

REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 24º ed. São Paulo: Saraiva, 1998.

SUNDFELD, Carlos Ari. Fundamentos de Direito Público. 4ª ed., 4ª tiragem. São Paulo: Malheiros, 2003.

VILLA, DANA (editor). The Cambridge Companion to Hannah Arendt. Cambridge: Cambridge University Press. 2000. 304p.

WOLKMER, Antonio Carlos. Modernidade no Direito e Novos Paradigmas de Legitimação. Palestra proferida em 12.08.2002. Londrina: Paraná




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v5i5.45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 Revista Argumenta

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil