EPISTEMOLOGIA CONSTRUTIVISTA, SISTEMA E DIREITO

Ricardo de Macedo Menna Barreto

Resumo


O presente artigo tem por objetivo realizar um resgate reflexivo das bases da epistemologia construtivista que informa algumas das mais importantes concepções sistêmicas do Direito na contemporaneidade. Nesse sentido, certas concepções teóricas desenvolvidas no âmbito da epistemologia construtivista, tais como realidade, observação, observação de segunda ordem, autopoiese e sistema serão abordadas a partir das respectivas teorias que as forjaram em diferentes áreas, como a cibernética, a física e a biologia teórica. A partir daí, busca-se apresentar a recepção de tais categorias no âmbito das teorias sistêmicas do Direito. Defende-se que o resgate conceitual destas bases teóricas pode servir para o incremento de futuras autodescrições do sistema jurídico, uma vez que auxiliam o observador do Direito na revisita das próprias teorias que o informa, alargando, assim, os limites de seu próprio horizonte epistemológico. Quanto à metodologia, buscou-se, a partir de uma revisão bibliográfica, estabelecer uma discussão crítica a partir do conhecimento partilhado pelo diálogo interdisciplinar.


Palavras-chave


Construtivismo; Sistema; Direito.

Texto completo:

PDF

Referências


ASHBY, W. Ross. Uma Introdução à Cibernética. São Paulo: Perspectiva, 1970.

AUSTIN, John L. How to Do Things with Words. Clarendon: Oxford, 1962.

BATESON, Gregory. Steps to an Ecology of Mind. University Chicago Press, 1972.

CAMPILONGO, Celso Fernandes. “Aos que não vêeem que não vêem aquilo que não vêem”: sobre fantasmas vivos e a observação do Direito como sistema diferenciado. In: DE GIORGI, Raffaele. Direito, Tempo e Memória. Tradução de Guilherme Leite Gonçalves e Revisão Técnica de Celso F. Campilongo e Carolina Cadavid. São Paulo: Quartier Latin, 2006.

CUNHA, Paulo Ferreira da. Comunicação & Direito: Semiótica, Literatura e Norma. Coleção Direito & Arte: Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008.

DEMO, Pedro. Pesquisa e Construção do Conhecimento: Metodologia Científica no Caminho de Habermas, 7ª Edição, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 2012.

GARCÍA AMADO, Juan António. A Sociedade e o Direito na obra de Niklas Luhmann. In: ARNAUD, André-Jean e LOPES JÚNIOR, Dalmir. Niklas Luhmann: do sistema social à sociologia jurídica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.

HESPANHA, António Manuel. O Caleidoscópio do Direito. O Direito e a Justiça nos dias e no mundo de hoje. 2ª Ed., reelaborada. Coimbra: Almedina, 2009.

LUHMANN, Niklas. Conhecimento como construção. In: NEVES, Clarissa Eckert Baeta; SAMIOS, Eva Machado Barbosa. Niklas Luhmann: a Nova Teoria dos Sistemas. Porto Alegre: UFRGS, Ed. da Universidade, 1997.

________. El Derecho de la Sociedad. Trad. Javier Torres Nafarrate. México: Universidade Iberoamericana/Colección Teoria Social, 2002.

________. Por que uma “Teoria dos Sistemas”? In: NEVES, Clarissa Eckert Baeta; SAMIOS, Eva Machado Barbosa. Niklas Luhmann: a Nova Teoria dos Sistemas. Porto Alegre: UFRGS, Ed. da Universidade, 1997.

MATURANA ROMESÍN, Humberto e VARELA, Francisco. A Árvore do Conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. Tradução de J. P. dos Santos. São Paulo: Editorial Psy II, 1995.

________. Cognição, Ciência e Vida Cotidiana. Trad. de Cristina Magro e Victor Paredes. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001.

MORIN, Edgar. La Epistemología de la Complejidad. In: Gazeta de Antropología, Universidad de Granada, 2004, 20, art. 02. Disponível em: http://hdl.handle.net/10481/7253. Acesso em: 15 de setembro de 2019. DICK, Phillip K. Only Apparently Real. Nova York, 1974.

NEVES, Marcelo. Da Autopoiese à Alopoiese do Direito. In: Anuário do Mestrado em Direito, n. 5. Recife, pp. 273-298, 1992.

OLIVEIRA, Luis Alberto. A Natureza Inacabada: Caos, Acaso, Tempo. In: Contribuição ao Simpósio “A Crise da Razão”. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1995.

PAKMAN, Marcelo. Introducción. In: VON FOERSTER, Heinz. Las Semillas de la Cibernética. Obras Escogidas. Edición de Marcelo Pakman e Presentación de Carlos Sluzki. Barcelona: Gedisa Editorial, 2006.

PASK, Gordon. Uma Introdução à Cibernética. Prefácio de Warren S. McCulloch [M.I.T.]. Coimbra: Arménio Amado Editor, 1970.

PLATÃO. A República. Tradução de Leonel Vallandro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

ROCHA, Leonel Severo. Epistemologia Jurídica e Democracia. 2ª ed. São Leopoldo: Unisinos, 2005.

TEUBNER, Gunther. O Direito como Sistema Autopoiético. Trad. e prefácio de José Engracia Antunes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1989.

VON FOERSTER, Heinz. A Constructivist Epistemology. In: FREY, L, et al. Structures and Cognitive Processes – Cahier N. 3, Proceedings of the 2nd and 3rd Advanced Courses in Genetic Epistemology, organized by the Foundation Archives Jean Piaget in 1980 and 1981. Genève: Foundations Archives Jean Piaget, 1982.

________. Las Semillas de la Cibernética. Obras Escogidas. Edición de Marcelo Pakman e Presentación de Carlos Sluzki. Barcelona: Gedisa Editorial, 2006.

________. Visão e Conhecimento: disfunções de segunda ordem. In: SCHNITMAN, Dora Fried (Organizadora). Novos Paradigmas, Cultura e Subjetividade. Tradução de Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1996.

WIENER, Norbert. Cibernética e Sociedade. O uso humano de seres humanos. 4ª edição. São Paulo: Cultrix, 1973.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tratado Lógico-Filosófico. Investigações Filosóficas. Trad. e prefácio de M. S. Lourenço. Introd de Bertrand Russell. Comentários de Tiago de Oliveira. 6ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.35356/argumenta.v0i34.2015

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Argumenta Journal Law

 A Revista Argumenta está cadastrada nos diretórios e indexada nas bases que seguem:
DOAJ DRJILivre! Proquest EBSCO  DIADORIM IBICT LAINDEX

 

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil