ENTRE A MÃO E A CONTRAMÃO DO DIREITO À SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL: A EMENDA CONSTITUCIONAL 86 E A PROIBIÇÃO DO RETROCESSO SOCIAL

Cândice Lisbôa Alves

Resumo


O presente artigo aborda a saúde pública como direito social prestacional e subjetivo. O direito à saúde insere-se dentro da ótica do constitucionalismo social e do constitucionalismo latino americano. Este artigo se propôs a analisar o direito fundamental à saúde pública e a possibilidade de retrocesso social relacionado à diminuição de investimentos obrigatórios, definidos no art. 198 da Constituição, por determinação da Emenda Constitucional (EC) 86, de 2015. A hipótese de trabalho foi pela inconstitucionalidade da EC 86, em função da aplicação do princípio da proibição do retrocesso social. A pesquisa foi exploratória e bibliográfica. O método de trabalho foi o indutivo

Palavras-chave


saúde pública; proibição do retrocesso social; inconstitucionalidade

Texto completo:

PDF

Referências


ACKERMAN, Mario. El constitucionalismo social in America Latina. Revista Latino americana de Derecho Social, núm. 1, julio-diciembre de 2005, pp. 3-14.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua I. Tradução Henrique Burigo. 2.ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

ALCALÁ, Humberto Nogueira. Los derechos económicos, sociales y culturales como derechos fundamentales efectivos en el constitucionalismo democrático latinoamericano. Estudios Constitucionales, Año 7, Nº 2, 2009, pp. 143-205.

ALVES, Cândice Lisbôa. Direito à saúde: efetividade e proibição do retrocesso social. Belo Horizonte: D’Plácido, 2013 a.

ALVES, Cândice Lisbôa. Direito à saúde: o descortinar de uma (re)construção conceitual sob o paradigma constitucional da solidariedade e da humanidade. In: ALVES, Cândice Lisbôa; MARCONDES, Thereza Cristina Bohlen Bitencourt. Liberdade, Igualdade e Fraternidade: 25 anos da Constituição Brasileira. Belo Horizonte: D’Plácido, 2013 b.

ARANGO, Rodolfo. Constitucionalismo social latino americano. ARANGO, Rodolfo. Constitucionalismo social latinoamericano. La Justicia Constitucional y su internacionalización.¿ Hacia un ius constitutionale commune en América Latina, p. 3-24, 2010.

ARANGO, Rodolfo. El derecho a la salud em la jurisprudencia constitucional colombiana, Revista da Defensoria Pública, ano1, n.1, jul/dez 2008, p. 91-130.

BERTOLLI FILHO, Claudio. História da saúde pública no Brasil. 4. Ed. São Paulo: Ática, 2008.

BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social. 9.ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

BRASIL. Decreto nº 591, de 6 de Julho de 1992. Atos Internacionais. Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Promulgação. Diário Oficial da União - Seção 1 - 07/07/1992 , Página 8713 (Publicação Original). Disponível em: < http://www2.camara.gov.br/legin/fed/decret/1992/decreto-591-6-julho-1992-449000-publicacaooriginal-1-pe.html> Acesso em: 23 out. 2012

BRASIL. Congresso Nacional. Emenda Constitucional 86, de 17 de março de 2015. Altera os arts. 165, 166 e 198 da Constituição Federal, para tornar obrigatória a execução da programação orçamentária que especifica. Disponível em: Acesso em 22 de setembro de 2017.

BRASIL. STF. Medida cautelar na ADI 5595, Rel. Min. Lewandowski, publ em 04 de setembro de 2017. Disponível em: . Acesso em 22 de setembro de 2017

BRASIL. STF. Petição inicial na ADI 5595, Rel. Min. Lewandowski. Disponível em: . Acesso em 22 de setembro de 2017.

BRASIL. STF. RE 271.286 AgR, Rel. Min Celso de Mello, julg. 12 de setembro de 2000. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28RE%24%2ESCLA%2E+E+273834%2ENUME%2E%29+OU+%28RE%2EACMS%2E+ADJ2+273834%2EACMS%2E%29&base=baseAcordaos&url=http://tinyurl.com/aqjqa4c Acesso em 22 de setmbro de 2017.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7.ed. Coimbra: Almedina, 2003.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. O direito constitucional como ciência da direcção – o

núcleo essencial de prestações sociais ou a localização incerta da socialidade (contributo para

a reabilitação da força normativa da “constituição social”). In: CANOTILHO, José Joaquim

Gomes; CORREIA, Marcus Orione Gonçalves; CORREIA, Érica Paula Barcha. (coord).

Direitos Fundamentais Sociais. São Paulo: Saraiva, 2010, p. 11-31.

COMPARATO, Fábio; TORRES, Heleno Taveira; PINTO, Elida Graziane; SARLET, Ingo Wolgang. Financiamento dos direitos à saúde e à educação: mínimos inegociáveis. Consultor Jurídico. 27 de julho de 2016. Disponível em: . Acesso em 22 de setembro de 2017.

COSTA, Pietro. Direitos sociais: um diagrama do seu desenvolvimento. In: Iuris quidditas (liber amicorum per Bernardo Santalucia). Napoli: Editoriale scientifica, 2010. Tradução de Ricardo Sontag.

DALLARI, Sueli Gandolfi. Direito Sanitário. In: ARANHA, Márcio Iorio (org). Direito sanitário e saúde pública. Vol I. Coletânea de Textos. Brasília: Ministério da Saúde, 2003, p.39-59.

DALLARI, Sueli Gandolfi. Direito Sanitário: Fundamentos, Teoria e Efetivação. In: AITH, Fernando et al (orgs). Direito sanitário: saúde e direito um diálogo possível. Belo Horizonte: Escola de Saúde pública-MG, 2010, p. 43-71.

DERBLI, Felipe. O princípio da proibição do retrocesso social na Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

DIAS, Cibelle Fernandes. A justiça constitucional em mutação. Belo Horizonte: Arraes, 2012.

FIORAVANTI, Maurizio. Constitución: de la antiguedad a nuestros dias. Traducción de Manuel Martínez Neira. Madri. Editorial Trotta, 2001.

KRELL, Andreas J. Direitos sociais e controle judicial no Brasil e na Alemanha: os (des)caminhos de um direito constitucional “comparado”. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2002.

LUÑO, Antonio E. Perez. Los Derechos Fundamentales. Madrid: Editorial Tecnos, 1995.

MACHICADO, J., Constitucionalismo Social, La Paz, Bolivia: CED® Centro de Estudios De Derecho, 2007.

MIRANDA, Jorge de. Teoria do Estado e da Constituição. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

NABAIS, José Casalta. A face oculta dos direitos fundamentais: os deveres e os custos dos direitos. Revista Direito Mackenzie, 2002, v.3, n.2, p. 9-30.

NEVES, Marcelo. A constitucionalização simbólica. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

NOVAIS, Jorge Reis. Direitos Fundamentais: trunfos contra a maioria. Coimbra: Coimbra Editora, 2006.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal Dos Direitos Humanos. Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2012.

PINTO, Elida Graziane; SARLET, Ingo Wolgang. Regime previsto na EC 86/2015 deve ser piso e não o teto de gasto em saúde. Consultor Jurídico. 24 de março de 2015. Disponível em Acesso em 22 de setembro de 2017.

REMEDIO, José. Os direitos de solidariedade, o princípio da solidariedade, a solidariedade social e a filantropia como instrumentos de inclusão social. Argumenta Journal Law, Jacarezinho – PR, Brasil, n. 24., jan. a jun de 2016, p. 251-279.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos Direitos Fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 10.ed. Porto Alegre; Livraria do Advogado, 2011.

STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica Jurídica e(m) crise: uma exploração

hermenêutica da construção do direito. 8. ed., rev. e atual. Porto Alegre: Livraria do

Advogados, 2009

VAZ, Maria João. Os direitos sociais: reflexão crítica a uma visão redutora baseada nos custos. Argumenta Journal Law, n.22, jan-jul 2015, p. 89-109.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Argumenta Journal Law

ARGUMENTA JOURNAL LAW

Programa de Pós-Graduação em Ciência Jurídica

E-mail : argumenta@uenp.edu.br
Telefone/fax 4335258953
Horário de atendimento de segunda-feira à sexta-feira 14 às 17h e das 19 às 23h e nos sábados das 08 até 12h
Endereço: Av. Manoel Ribas, 711 - 1º andar
Jacarezinho PR - 86400-000 - Brasil